1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Diretor da Mercedes isenta Rosberg de culpa em batida na Bélgica

O Estado de S. Paulo

25 Agosto 2014 | 17h 09

Toto Wolff afirma que piloto alemão não bateu em Lewis Hamilton de propósito e classificou como 'inaceitável' batida entre os pilotos

O chefe da Mercedes, o austríaco Toto Wolff, defendeu o piloto alemão Nico Rosberg por ter causado a batida com o companheiro de equipe Lewis Hamilton durante o GP da Bélgica de Fórmula 1, no último domingo, em Spa-Francorchamps. Na colisão, o inglês foi o mais prejudicado, ao ter o pneu traseiro esquerdo furado e cair para as últimas posições do grid. Segundo o dirigente, a confissão de Rosberg ao rádio de que teria forçado a batida foi mal interpretada.

"Nico sentiu que ele precisava manter a mesma linha. Ele precisava ultrapassar e para Lewis, não estava claro quem precisava estar atento à chegada do outro piloto", disse. A batida fez ambos terem de voltar aos boxes para arrumar o carro. Rosberg precisou apenas trocar o bico do carro e ainda conseguiu chegar em segundo lugar, enquanto Hamilton perdeu muitas posições até completar a volta com o pneu furado. O inglês abandonou a corrida a seis voltas do fim.

Hamilton terminou a prova irritado e disse que ouviu pelo rádio uma conversa entre Rosberg e a equipe em que o alemão confessou ter forçado a batida, o que é negado pelo alemão. "Rosberg pensou que Lewis daria espaço para a ultrapassagem, mas isso não ocorreu. Então, eles se envolveram em uma discussão acalorada entre eles. Não foi uma batida proposital. Isso seria um absurdo", defendeu Wolff.

Srdjan Suku/Efe
Diretor da Mercedes isenta Rosberg de culpa em batida

O chefe, porém, reprovou o incidente e lembrou que apesar da intensa disputa entre os pilotos pelo título mundial, a dupla deve evitar esse tipo de problema. "Não é aceitável para a Mercedes, porque é algo que não queremos que aconteça. Uma colisão logo na segunda volta tem que ser evitada", explicou.

Após o GP da Bélgica, a liderança do campeonato fica com Rosberg, que agora passa a ter 29 pontos de vantagem sobre o rival. Ainda restam sete provas para o fim da temporada.