Ferrari ainda não decidiu o que usar

A Ferrari estuda estrear o F2002 no GP da Malásia, dia 17. A decisão será tomada sábado, após a conclusão dos testes que estão sendo realizados esta semana no circuito de Fiorano. Se o modelo novo apresentar resultados satisfatórios, pelo menos um carro deverá ser utilizado em Sepang. Neste caso, a tendência é que preferência recaia sobre o alemão Michael Schumacher, até porque Rubens Barrichello ainda não conhece o F2002. Jean Todt, o diretor da Ferrari, confirma a possibilidade de levar o carro novo à Malásia. No entanto, não entra em detalhes. "Há três coisas que podem ocorrer em Sepang: a Ferrari utilizar os dois carros novos, correr com os dois carros de 2001 ou então com um velho e um novo?, disse ele. Nesta quarta-feira, Lucas Badoer andou com o F2002 em Fiorano. Completou 79 voltas - a melhor delas em 1m23s500 - e também treinou largadas. O brasileiro Luciano Burti foi à pista com a F12001 e, no seco, fez 1m00s060 no mais rápido de seus 98 giros. Barrichello não treinou por estar no Brasil. Nesta quarta-feira, inclusive, ele participaria de um torneio de golfe em São Paulo. Ele deve viajar para a Malásia no domingo. O carro que Michael Schumacher terá à disposição na segunda etapa da temporada não preocupa o colombiano Juan Pablo Montoya. Ele diz ter uma certeza: se for "brindado? com os pneus certos, derrotará o alemão no GP de Malásia. "Posso bater Schumacher. Para isso, Basta que me dêem os pneus (Michelin) adequados?, garantiu o piloto da Williams. Mais GPs, menos treinos - O canadense Jacques Villeneuve defendeu uma mudança radical para a F-1 no futuro. Ele sugere que se diminua o número de treinos e aumenta o que corridas, para até 25 por ano. "O ideal são fins de semanas de apenas dois dias (sábado e domingo) e com mais provas. Temos muitos testes e um número de corridas insuficientes. Acho que seria interessante corrermos 3 semanas seguidas e então descansarmos duas?, afirmou Villeneuve, piloto da BAR.

Agencia Estado,

06 Março 2002 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.