Festa colombiana em Interlagos

Provar para o mundo que a Colômbia não é apenas um país de problemas, vítima de guerrilhas e do narcotráfico, mas uma terra que também tem muitas coisas boas. Essa é a maior preocupação e o principal objetivo dos muitos colombianos que, em Interlagos, durante o GP Brasil de Fórmula 1, torcem por Juan Pablo Montoya, piloto colombiano que chegou à categoria no ano passado e, em pouco tempo, mostrou que a F-1 pode voltar a ter grandes duelos. E a torcida por Montoya é grande. Cerca de 3 mil colombianos estão presentes ao autódromo em Interlagos acompanhando treinos e se preparando para assistir ao GP, que começa amanhã, às 14h. "É bom que apareçam pessoas como ele, porque mostramos para o mundo que a Colômbia não é tão ruim quanto pensam. Além do narcotráfico e da guerrilha, tem gente lutando pelo país. Ele é uma boa imagem para o mundo", declarou Jairo Castelblanco, que reside em Bogotá e que chegou ao Brasil hoje, graças a um computador. "Nós ganhamos a viagem em um sorteio. Quem comprasse um computador da Compaq (um dos patrocinadores da equipe Williams) concorria a uma viagem. Viemos em 10 para o Brasil", disse Castelblanco, que veio de avião (sete horas de viagem) e volta para a Colômbia na quarta-feira. Em relação a Montoya, Castelblanco demonstra muita confiança. "Até hoje ele é o máximo que já tivemos na Colômbia. Para mim, ele é o melhor piloto da Fórmula 1. É claro que o Schumacher é mais experiente, mas o Montoya é o melhor. Tanto é que os entendidos do assunto dizem que ele é o substituto do Ayrton Senna." "Isso aqui é um país e nós, colombianos, somos pessoas boas", dizia o torcedor Joaquin Cano, enquanto agitava uma bandeira colombiana colocada nas arquibancadas. "Antes de falarmos sobre o piloto Montoya, temos de mostrar que a Colômbia é um país, que, mesmo com tantas dificuldades, tem muitas coisas boas", explicou. Joaquin Cano é colombiano, mas há um ano mora em Salvador, onde trabalha em uma multinacional. "Montoya é uma grande revelação. O problema é que ele começou no ano passado (amanhã, disputará o seu 20º GP na Fórmula 1), e o Schumacher já está na Fórmula 1 há bastante tempo. Claro que é muito difícil vencer o Schumacher. Acho que são os dois melhores pilotos." E parece que os colombianos estão certos. Juan Pablo Montoya foi o pole-position, e Michael Schumacher, o segundo. As bandeiras colombianas tremularam.

Agencia Estado,

30 Março 2002 | 14h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.