Valdrin Xhemaj/EFE
Valdrin Xhemaj/EFE

Fora do Q3 pela 1ª vez desde 2013, Hamilton lamenta desempenho

Britânico vai largar apenas em 13º no GP de Mônaco

Estadão Conteúdo

27 Maio 2017 | 16h50

O inglês Lewis Hamilton seguiu brigando com a sua Mercedes no treino classificatório deste sábado para o GP de Mônaco de Fórmula 1 e reclamou bastante da aderência do carro. Pela primeira vez desde 2013, o britânico não conseguiu vaga para o Q3, última parte da atividade que define a pole position na Fórmula 1 - que ficou com o finlandês Kimi Haikkonen, da Ferrari.

Com apenas uma volta para tentar estar entre os 10 pilotos que formariam o Q3, Lewis Hamilton teve que diminuir a velocidade pelas bandeiras amarelas que surgiram por um problema na McLaren do belga Stoffel Vandoorne. Desta forma, o vice-líder do Mundial perdeu a chance brigar pela pole e vai largar somente na 13.ª colocação, abrindo a sétima fila do grid.

"Eu realmente lutei com o carro hoje (sábado). Fui um pouco infeliz com a bandeira amarela, mas isso realmente não importaria agora se tivesse ido mais rápido. Penso que aquela volta me colocou entre os 10, mas teria lutado para torná-la Top 5 com o ritmo que tinha. Vatteri (Bottas, seu companheiro na Mercedes) não teve dificuldades hoje. Então, estou confuso e não posso apontar o problema (com o carro) no momento. Estou me sentindo muito chateado agora, mas vou lutar novamente amanhã (domingo). Valtteri extraiu uma boa volta. Nós precisamos identificar por que não fui capaz de estar lá em cima também", resumiu Lewis Hamilton.

O finlandês Valtteri Bottas, que largará na terceira posição, ao lado do holandês Max Verstappen, da Red Bull, na segunda fila, também lamentou os problemas que a equipe Mercedes teve neste fim de semana de treinos. O piloto reconheceu a superioridade da Ferrari, mas enfatizou que Mônaco é uma prova de oportunidades.

"Este fim de semana tem sido um pouco complicado para nós. Começamos bem no FP1 (primeiro treino livre) antes de ficar um pouco perdido com o jogo de pneus no FP2. Então, foi difícil conseguir uma volta juntos na qualificação também. Levou de duas a três voltas para obter a temperatura, o equilíbrio certo e sentir o carro. Foi muito perto hoje (sábado), mas a Ferrari parece ter a vantagem aqui. Eles foram muito fortes esta tarde. Claro que seria bom para começar na primeira fila. Mas tudo é possível largando da terceira posição. É difícil ultrapassar aqui, mas é definitivamente uma corrida de oportunidade. Amanhã (domingo) é Mônaco, onde tudo pode acontecer", enfatizou Valtteri Bottas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.