Gil vence e Helinho lidera a IRL

O arrojo, a coragem e a técnica deram a Gil de Ferran a vitória no GP de Saint Louis, 13ª e antepenúltima etapa da temporada da Indy Racing League. Ele venceu o duelo particular da Penske na corrida deste domingo com uma ultrapassagem espetacular sobre Hélio Castro Neves na volta 184 das 200 previstas. Mas Helinho, que chegou em segundo lugar e liderou o maior número de voltas, tem pelo menos um consolo: assumiu a ponta do campeonato, com 437 pontos, um a mais do que Gil. O ex-líder Sam Hornish Jr., quinto colocado, caiu para terceiro, com 429, seguido por Felipe Giaffone, apenas o 21º em Saint Louis, com 391. Faltam duas corridas para decidir o campeão. Dia 8 de setembro, em Chicago, e dia 15, no Texas. A manobra de Gil que decidiu a corrida foi desconcertante. Naquela altura, ele vinha em segundo, apertando Helinho. Teve a oportunidade na reta, mesmo com um retardatário (Buddy Rice, da Cheever) colocando em risco a manobra, mas não vacilou: colocou o carro por dentro, quase tocando roda com o companheiro que não teve outra alternativa senão "aliviar?. Ali Gil ganhava pela segunda vez no ano. A primeira foi em Pikes Peak, quando Helinho também formou a dobradinha da Penske. "O Helinho ficou encaixotado eu vi a oportunidade e fui. O carro dele estava com mais dificuldade no tráfego que o meu, e isso ajudou. Mas foi uma das corridas mais duras do ano. Estou feliz, mas não dá para relaxar, o campeonato está em aberto?, disse Gil. A Penske dominou amplamente o GP de Saint Louis. Na largada, Gil, o pole, se manteve na frente e Helinho, terceiro no grid, precisou de pouco tempo para tirar a segunda posição de Sam Hornish Jr. O norte-americano da Panther foi um dos poucos a ameaçar a dupla brasileira. Mas acabou não sendo páreo. Assim, a corrida virou uma briga particular. Na volta 70, Helinho ultrapassou Gil; na 99, levou o troco; na 102, voltava à ponta, após a terceira das quatro bandeiras amarelas da prova. Helinho levava vantagem por fazer um pit stop mais rápido - como acontecera antes ao ganhar uma posição de Sam Hornish Jr., e se repetiria depois, na volta 148, quando voltou a assumir a ponta ao superar o norte-americano Alex Barron, também em manobra de boxe. Alex Barron foi o outro piloto que tentou estragar a festa da dupla brasileira. Liderou da volta 119, ao ultrapassar Helinho, à 148. Mas depois se atrapalhou todo e perdeu várias posições. Ainda se recuperou para chegar em terceiro lugar. Helinho demonstrou um misto de alegria e desapontamento após a corrida. "Foi bom para o campeonato, até porque estou procurando ser consistente, lutar pelos pontos e não apenas para ganhar corridas. Mas sinto um pouco de frustração, porque perdi a corrida ao ser atrapalhado por um retardatário.? Felipe Giaffone, da MoNunn, largou em sétimo, ganhou várias posições, mas teve o motor quebrado, com bandeira amarela, na volta 100, quando era terceiro. "É uma pena. Tinha escutado um barulho umas 40 voltas antes, mas pensei que não era nada. Perdemos pontos importantes no campeonato, mas ainda há 100 pontos em jogo. Não é o fim do mundo, mas terei de torcer para que aconteça algo com os outros?, disse. Vítor Meira, da Menards, em sua segunda corrida na categoria, voltou a impressionar. Largou em quarto, chegou a correr em terceiro, travou bom duelo com Sam Hornish Jr., mas rodou na volta 98 e, com o carro sem controle, acabou atingido pelo francês Laurent Redon, perdendo o bico. Voltou lá atrás, fez várias ultrapassagens e chegou em 9º lugar, logo depois de Raul Boesel (Bradley), oitavo em Saint Louis. Airton Daré (A. J. Foyt) ficou em 11º. Confira a classificação do GP de Saint Louis: 1º Gil de Ferran (BRA) - 1h44m22s573 2º Hélio Castro Neves (BRA) - a 2s102 3º Alex Barron (EUA) - a 2s674 4º Buddy Rice (EUA) - a 3s536 5º Sam Hornish Jr. (EUA) - a 5s311 6º Robbie Buhl (EUA) - a 16s238 7º Al Unser Jr. (EUA) - a 20s743 8º Raul Boesel (BRA) - a 27s281 9º Vitor Meira (BRA) - a 2 voltas 10º Eddie Cheever (EUA) - a 2 voltas 11º Airton Daré (BRA) - a 3 voltas

Agencia Estado,

25 Agosto 2002 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.