1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Honda fará 1º teste só na próxima pré-temporada da F-1

Estadão Conteúdo

01 Setembro 2014 | 14h 24

Mudança que substitui o motor V8 pelo V6 possibilita a volta da montadora às pistas em 2015, reeditando a parceria com a McLaren

Em preparação para seu retorno à Fórmula 1, a Honda anunciou que fará o primeiro teste do seu novo motor somente na pré-temporada do próximo ano, provavelmente no Circuito de Jerez, na Espanha. A nova fornecedora de motores da F1 não pretende ir para a pista ainda neste ano.

"Neste momento, não temos qualquer plano de coletar dados durante esta temporada. Em Jerez será nossa primeira vez na pista", disse o diretor esportivo da Honda, Yasuhisa Arai. "Será a primeira vez que exibiremos o carro completo, com o motor Honda e o chassi da McLaren".

Afastada da categoria desde o fim de 2008 - em razão da crise econômica global -, a montadora japonesa fará seu retorno à F1 em 2015, em uma reedição da bem-sucedida parceria com a McLaren que gerou conquistas para os dois lados entre os anos 1980 e início dos 1990.

DPPI
Yasuhisa Arai anunciou a volta da Honda após 6 anos afastada da F-1

O retorno, acertado no ano passado, prevê que a Honda será a nova fornecedora de motor da McLaren, em substituição à Mercedes, a grande favorita ao título deste ano. "Estamos absolutamente dentro do nosso programa. Nosso motor, ou melhor nossa unidade de potência, está pronto para uma checagem geral do sistema, mas sem o chassi ainda. Ainda precisamos de mais tempo para juntar as duas partes para um teste completo do carro", declarou Arai.

O diretor da Honda revelou que a volta à F1 só foi possível graças às mudanças no regulamento técnico, que estabeleceu a substituição do motor V8 pelo V6, que consome menos energia. "Com certeza foi uma das razões para a volta da Honda. Mas também tem o fato de que os tempos registrados pelos atuais motores são semelhantes ao dos velhos tempos e isso mostra que a tecnologia que está sendo usada agora é muito avançada. Podemos alcançar os mesmos tempos, mas com uma tecnologia mais inteligente e menos dispendiosa".