IRL: 4 brasileiros lutam pelo título

Neste domingo, no oval de Kentucky, a Indy Racing League inicia a série final de quatro corridas em cinco semanas que apontará o novo campeão da categoria. Pela primeira vez, desde a primeira temporada de 1996, quatro brasileiros lutarão pelo título. O único não-americano que levantou um campeonato da IRL foi o sueco Kenny Brack, hoje competindo na Cart, em 98. As chances brasileiras este ano são excelentes: Gil de Ferran, com 377 pontos, e Hélio Castro Neves, com 365, ocupam os dois primeiros lugares. Felipe Giaffone e Aírton Daré melhoram a cada prova, com possibilidades de vitórias nas restantes, depois de Kentucky: St. Louis (no dia 25), Chicago (em 8 de setembro) e Texas Motor Speedway (em 15 de setembro). ?Acho que o campeão deste ano será um brasileiro. E isso vai tornar a IRL bem mais conhecida por aqui?, diz Felipe Giaffone, piloto da equipe Hollywood/Mo Nunn que corre com um G-Force/Chevy e é o quarto no campeonato, com 330 pontos (na IRL, são 50 para o primeiro colocado, seguindo-se 40 para o segundo, 35, 32, 30 etc); o piloto que lidera mais voltas ganha dois pontos de bonificação; não há ponto de bonificação para o pole). Mais um brasileiro - O interesse dos brasileiros pela IRL aumenta. Na semana passada, o brasiliense Vitor Meira trocou a F-3000 européia pela IRL: assinou com a Menard depois de testes. Meira já estréia neste domingo, no lugar do norte-americano Mark Dismore. ?Fiz a coisa na hora certa?, disse, para emendar: ?Só andei uns 600 quilômetros. Não esperava que fosse correr tão cedo.? Outros que poderiam ir para a IRL em 2003 são Enrique Bernoldi e Ricardo Maurício. O alvo é a mesma equipe de Eddie Cheever. No caso de Bernoldi, seria um acerto com a Red Bull, patrocinadora do piloto e da equipe da Indy. ?Acho que haverá outros vindo para a IRL?, diz Giaffone, que já renovou com a Mo Nunn. Michael Andretti praticamente definiu que correrá na IRL com patrocínio da Motorola. Aírton Daré, que venceu sua primeira corrida em Nashville, além de entrar na disputa pelo título ? 208 pontos estão em jogo nas quatro corridas ?, fortaleceu sua posição na AJ Foyt para 2003. Daré, com Dallara/Chevy, é o sexto no geral (246 pontos). É a grande aposta de Foyt desde o título com Brack. À espera do embate - Hélio Castro Neves, que venceu duas 500 Milhas de Indianápolis seguidas pela Penske, diz que a disputa será intensa. ?É preciso cuidado com o Sam Hornish. Ele ataca quando menos se espera.? Campeão de 2001, o norte-americano Hornish é o piloto que mais venceu este ano na IRL: ganhou três corridas contra duas de Helinho. Ocupa o terceiro lugar com 359 pontos, 18 a menos do que o líder Gil de Ferran. ?A diferença é muito pequena. Ele vai dar tudo nas próximas corridas?, acrescenta Helinho. Gil de Ferran ganhou uma corrida na temporada mas foi mais regular do que os adversários. Por isso lidera o campeonato. Além disso, ao lado de Tomas Scheckter, fez o maior número de poles no ano: três. Bicampeão da Cart em 2000/2001, Gil vai em busca de seu terceiro titulo consecutivo correndo com um Dallara/Chevy. ?Este ano foi de aprendizado. A mudança da Cart para a IRL exigiu uma adaptação rápida aos novos carros. Felizmente tudo deu certo. Mas sei que a guerra vai começar agora, com as últimas corridas. Ninguém está garantido.? Novidades - Os carros da IRL mudam no ano que vem. Além dos Chevy (Chevrolet), as equipes passarão a ter como opções os motores de Honda e Toyota, que abandonaram a Cart. Os Infiniti Nissan, que ganharam em Michigan com Scheckter, deverão sair. Os chassis Dallara, G-Force e MK Racing (que estréia em 2003) foram modificados de acordo com o novo regulamento técnico, assim como a caixa de transmissão. Os carros, agora, estarão em condições de correr também em traçados mistos. Mas a primeira corrida da IRL nesse tipo de pista ficou para 2004, já que as 16 provas de 2003 serão todas em ovais, inclusive a primeira no Exterior, prevista para 13 de abril, em Motegi, Japão. Antes da corrida no Texas Motor Speedway, a IRL deverá decidir se organizará dois campeonatos distintos no ano que vem. O plano apresentado às equipes é um campeonato americano com 15 corridas e um mundial com cinco provas, incluindo Japão, Alemanha (Lausitzring), Inglaterra (Rockinghan) e duas provas nos Estados Unidos que somariam pontos para as duas competições: Indianápolis e Fontana.

Agencia Estado,

05 Agosto 2002 | 20h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.