Mercedes descarta 'mágica' para melhorar desempenho e prevê luta mais acirrada

Resultado ruim na Rússia levou Hamilton a ficar a 13 pontos do alemão Sebastian Vattel

Estadao Conteudo

08 Maio 2017 | 17h38

O desempenho abaixo do esperado de Lewis Hamilton no GP da Rússia ainda é tema de preocupação para a Mercedes. O inglês ficou atrás de Valtteri Bottas na sessão de classificação e na corrida, completada 36 segundos depois do finlandês, que venceu a prova, naquele que foi o primeiro triunfo da sua carreira na Fórmula 1. Mas Toto Wolff, o chef da equipe, destacou que não há uma "pílula mágica" para explicar os problemas e resolvê-los visando o GP da Espanha, no próximo fim de semana.

"Nós gastamos nosso tempo desde então para compreender o que aconteceu, compreender o que nós poderíamos fazer para Lewis se sentir mais confortável no carro. Não há pílulas mágicas para entender isso, apenas muito trabalho duro e atenção aos detalhes. Devemos lhe dar as ferramentas que ele precisa para fazer o trabalho nas próximas corridas e isso será um grande foco para nós", afirmou Wolff.

O resultado ruim na Rússia levou Hamilton a ficar a 13 pontos do alemão Sebastian Vattel, o líder da classificação no Mundial de Pilotos em uma temporada em que a Mercedes se vê muito mais ameaçada do que nas anteriores, tanto que a sua vantagem na classificação do campeonato de construtores é de apenas um ponto para a Ferrari.

Wolff acredita que a disputa se tornará ainda mais acirrada no próximo fim de semana, quando a Red Bull promete um carro com atualizações. "No momento, há duas equipes no topo lutando pelos dois campeonatos e eu espero que a Red Bull também irá eventualmente aderir ao clube", disse o dirigente. "Esta batalha entre equipes é uma situação totalmente diferente da que vimos nos últimos três anos, temos que nos adaptar a isso", acrescentou.

Assim, para não perder a hegemonia na Fórmula 1 em 2017, Wolff destaca a necessidade de a Mercedes ser mais regular. "O sentimento predominante é que há muito trabalho para fazer para voltar mais forte com um carro que pode apresentar um nível consistente a cada fim de semana", disse.

Mais conteúdo sobre:
Velocidade Fórmula 1 Velocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.