Srdjan Suki/EFE
Srdjan Suki/EFE

Raikkonen comemora dobradinha da Ferrari, mas lembra Sochi para conter euforia

Escuderia italiana também teve dobradinha no GP da Rússia, mas viu a vitória ficar com Bottas, da Mercedes

Estadão Conteúdo

27 Maio 2017 | 12h26

O finlandês Kimi Raikkonen comemorou o fim do jejum de pole positions neste sábado, mas fez questão de conter a euforia para a prova deste domingo no GP de Mônaco. O piloto da Ferrari não era o mais rápido de um treino classificatório desde o GP da França em 2008.

"Obviamente é o melhor lugar para estar amanhã, mas isso não garante nada na corrida", comentou. "O importante é que estou feliz com o carro, ele se comportou 'ok' durante toda a semana", completou.

Raikkonen tentará vencer pela segunda vez no autódromo de Montecarlo. A primeira vitória aconteceu em 2005, quando pilotava a McLaren. Para isso, terá que segurar as investidas do companheiro de equipe, Sebastian Vettel, que sairá em segundo lugar.

A dobradinha da Ferrari na primeira fila, no entanto, também é vista com ressalvas por Raikkonen. "Temos que ir com calma, porque lembro o que aconteceu em Sochi". No GP da Rússia deste ano, a escuderia garantiu a primeira fila no grid, mas a vitória da prova ficou com Valtteri Bottas, da Mercedes.

Bottas largará em terceiro lugar em Mônaco e deve ser o principal adversário das Ferraris já que seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, não encontrou o acerto ideal para seu carro e sairá apenas em 12º lugar.

Apesar da segunda colocação, Vettel não tem do que reclamar, já que está 11 posições à frente de Hamilton, seu concorrente na classificação geral. O alemão lidera o Mundial com 104 pontos contra 98 do inglês.

"O Kimi está de parabéns. Claro que sempre podemos ser um pouco mais rápido, e o carro estava muito bom. Não sei o motivo dos problemas da Mercedes, mas nós conseguimos melhorar de treino em treino", comentou Vettel. O GP de Mônaco acontece neste domingo e tem largada prevista para as 9h (horário de Brasília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.