Rubinho: "2º lugar teria sido ótimo"

O início do GP da Malásia de Fórmula 1, na madrugada de hoje, teve um nome: Rubens Barrichello. Com Schumacher e Montoya se tocando, ele aproveitou bem a terceira colocação no grid e assumiu a liderança do GP da Malásia. Dirigia com autoridade até a 39.ª volta, na segunda colocação, posição que poderia manter até o fim sem dificuldades, quando o motor quebrou. Ralf o passou porque parou uma vez só nos boxes. "Nós certamente teríamos problemas de pneus se optássemos pela estratégia de um único pit stop", explicou Barrichello. "Considerando-se a performance do pacote carro-pneu de nossos adversários, o meu segundo lugar seria ótimo." Ano passado, a Ferrari teve uma quebra de motor apenas, com Barrichello, no GP dos EUA. Na Malásia, em apenas um fim-de-semana, apresentou duas. Sexta-feira e domingo, com Barrichello. A segunda etapa da temporada evidenciou que, além da Williams-Michelin estar mais viva do que nunca, a Renault mostrou que agora, assumindo o time de F-1, ex-Benetton, crescerá de verdade na competição. Jenson Button só perdeu o terceiro lugar no pódio para Schumacher, na última volta, em razão de um problema na suspensão traseira. Acabou em quarto. A jovem e competente dupla da Sauber, Nick Heidfeld e Felipe Massa completou os seis primeiros que marcam pontos no campeonato, enquanto a Toyota reforçou a impressão de que, não a médio prazo, como se pensava, mas num curto espaço de tempos surpreenderá a todos. Já no sábado os 22 carros que irão disputar o 31.º GP do Brasil desembarcarão em São Paulo. Depois dos espetáculos contrastantes apresentados pela F-1 em Melbourne e em Sepang, quem duvida que a prova de Interlagos não despertará grandes interesses?

Agencia Estado,

17 Março 2002 | 13h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.