Zag Mauger/Fia Formula 2
Zag Mauger/Fia Formula 2

Sergio Sette Câmara monta plano para chegar à Fórmula 1 em 2019

Representante brasileiro na Fórmula 2 se destaca com resultados na categoria e quer perpetuar tradição nacional no automobilismo

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 Setembro 2017 | 07h00

O mineiro Sérgio Sette Câmara, de 19 anos, é o favorito a renovar a tradição do Brasil de levar pilotos para a Fórmula 1. Após superar dificuldades na temporada de estreia da Fórmula 2, a principal categoria de acesso, o piloto conseguiu uma vitória e um segundo lugar, resultados capazes de alimentar o sonho de conseguir espaço em alguma equipe em 2019.

O jovem piloto, natural de Belo Horizonte, é uma das esperanças do Brasil se renovar e manter a tradição em vigor desde 1970 de o País ter no grid da Fórmula 1 pelo menos um representante. O posto atual pertence a Felipe Massa, que ainda não tem presença garantida no próximo ano. Outro nome que pode aparecer é Felipe Nasr, brasiliense de 25 anos que disputou duas temporadas e ficou fora da categoria em 2017.

As condições adversas do mercado, no entanto, não desanimam Sette Câmara. Apontado por Massa como o nome do futuro do Brasil na Fórmula 1, o piloto já tem um plano de carreira para conseguir realizar o sonho de chegar à categoria. "Temos que nos manter na Fórmula 2 no ano que vem, é o passo que temos em mente. Então, fazer um segundo ano forte, com uma equipe melhor e quem sabe ser reconhecido", disse em entrevista ao Estado.

O jovem mineiro prefere pensar com cautela no futuro, para não queimar etapas. A carreira lhe pregou dificuldades nos passos anteriores, mas por outro lado ensinou a ter paciência para esperar o momento correto de demonstrar resultados. Foi assim nesta temporada da Fórmula 2, por exemplo, quando o então mais novo do grid sofreu com problemas técnicos e passou sete rodadas duplas sem pontuar, até encerrar o período ruim com duas provas boas na Bélgica, uma delas com vitória.

"A tendência é eu melhorar no ano que vem, porque em 2017 faltou um pouco de experiência. No começo do ano eu era o mais jovem do grid. Eu vim de uma categoria diferente, a Fórmula 3 Europeia, onde o carro não tinha nada a ver. A minha linha de aprendizagem está subindo a cada etapa", explicou. A duas etapas do fim do calendário, o momento é de sondar oportunidades em equipes maiores na Fórmula 2, para ter mais condições de brigar pelo título.

A necessidade de brigar por um carro competitivo para poder mostrar serviço e ir à Fórmula 1 não é uma preocupação tão amedrontadora. O piloto disse já ter superado problemas maiores recentemente, como a saída do programa de formação da Red Bull. O projeto que revelou Sebastian Vettel teve o brasileiro durante um ano como um dos integrantes, até a empresa austríaca decidir pelo desligamento de Sette Câmara.

"Eu fiquei muito desanimado quando saí. Na minha opinião, não saí por falta de rendimento, mas sim porque o programa é muito visado. Tive dificuldades porque faltou maturidade, era meu primeiro ano correndo em um carro de Fórmula, mas entendo que para eles era complicado renovar com um piloto que não tinha ficado no top 10 do campeonato", explicou o mineiro, que terminou ano passado em 11º no campeonato de Fórmula 3 Europeia.

A autocrítica equilibrada para quem é tão jovem se faz necessária para manter o sonho de chegar à Fórmula 1, caminho complicado para brasileiros. "É um sonho distante para quem não é da Europa e já pode fazer mais contatos desde cedo. Para nós, brasileiros, é uma rota muito mais difícil, por isso são poucos os que chegam. Então, tenho que ser determinado e persistente", comentou.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Automobilismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.