Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

Bottas projeta GP de Mônaco como desafio para guinada na carreira

Piloto finlandês chegou na escuderia para substituir o campeão Nico Rosberg

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2017 | 16h42

O finlandês Valtteri Bottas, de 27 anos, quer deixar de lado o retrospecto ruim de um início de carreira apenas mediano na Fórmula 1 - pela equipe Williams - e projeta o GP de Mônaco, neste fim de semana, como um grande desafio. O piloto, que chegou na escuderia Mercedes para substituir o alemão Nico Rosberg - campeão da temporada passada - teve um ótimo início de ano e obteve a sua primeira vitória na categoria no GP da Rússia, no circuito de Sochi, no mês passado - onde também conquistou a primeira pole position da carreira.

Valtteri Bottas teve problemas de motor há duas semanas, na Espanha, e não conseguiu terminar a corrida de Barcelona por uma falha no turbo. "É para esquecer com certeza (a corrida da Espanha). Tem havido um pouco de altos e baixos para mim este ano. Mau resultado, bom resultado", afirmou.

Os demais resultados do finlandês nesta temporada são dois terceiros lugares e um sexto, que o colocam na terceira posição no campeonato, mas 41 pontos atrás do tetracampeão Sebastian Vettel e a 35 do tricampeão Lewis Hamilton, companheiro dele na Mercedes.

"A diferença para Sebastian, para Lewis, é maior do que eu esperava para este ano. Mas as coisas podem mudar rapidamente. O que me dá confiança é que ainda há 75% da temporada aberta. Sinto que minhas melhores corridas serão neste ano. Eu sinto que eu fiz um bom trabalho em algumas corridas, mas ainda há mais por vir", analisou o piloto.

Embora tenha se impressionado com a velocidade, Valtteri Bottas ainda vê distinção com um verdadeiro candidato ao título. E mostrou que a sua visão vai além da luta pela melhor performance. O finlandês demonstrou ética ao deixar que Lewis Hamilton o passasse no GP do Bahrein para que o britânico pudesse continuar a perseguição sobre Sebastian Vettel.

Valtteri Bottas fez o mesmo em Barcelona, segurando o alemão da Ferrari por algumas voltas e permitindo que o britânico ganhasse segundos preciosos e que foram fundamentais para a vitória dele.

A situação do finlandês é muito difícil, pois ele tem mais um ano de contrato e carrega a pressão adicional de ter o exigente Lewis Hamilton como companheiro. Com 55 vitórias na carreira, o britânico é o primeiro piloto da equipe, mesmo que esse status não seja oficializado.

Nos últimos três anos, Lewis Hamilton esteve em igualdade com Nico Rosberg. Ambos lutaram um contra o outro pelo título e essa disputa levou a Mercedes à tensões e algumas baixas. Valtteri Bottas não está gostando da perspectiva de passar pela mesma situação. Mas poderá ser inevitável se ele recuperar a diferença para Hamilton e transformar a corrida pelo título em uma batalha.

"Não posso nem imaginar como será depois de alguns anos com um companheiro de equipe lutando pelo título de novo. Deve haver respeito entre os dois lados (com Lewis Hamilton), o que é bom. Nós apenas seguimos trabalhando juntos e espero que isso nos ajude na luta contra a Ferrari. De qualquer forma, é uma equipe. Então, nos precisamos continuar em frente e juntos", complementou Valtteri Bottas.

O GP de Mônaco será disputado neste domingo. A largada está marcada para às 9 horas (de Brasília). Os primeiros treinos livres serão realizados a partir desta quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.