Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Vettel garante confiar na segurança e defende estreia de Verstappen

'Quando a equipe decide que é seguro correr, é seguro correr', diz

Estadão Conteúdo

12 Março 2015 | 12h01

Embora a McLaren tenha apresentado a versão de que Fernando Alonso se acidentou na segunda semana de testes da pré-temporada da Fórmula 1 por causa do forte vento no circuito de Barcelona, o mistério sobre a batida que impede o espanhol de participar do GP da Austrália, neste fim de semana, prossegue.

Piloto que viu mais de perto o acidente, o alemão Sebastian Vettel declarou anteriormente que considerou a batida estranha, mas garantiu nesta quinta-feira, na véspera do início dos treinos livres no circuito de Melbourne, que a segurança dos carros não preocupa os competidores nesse início de temporada.

"Eu acho que ninguém quer nos mandar para a pista quando acreditam que algo não está certo. Acho que temos muito, muito espírito de equipe - em todos os times, eu diria - para deixar isso acontecer. Então, quando a equipe decide que é seguro correr, é seguro correr", disse.

Nesse fim de semana, a Fórmula 1 presenciará a estreia do seu mais jovem piloto, o holandês Max Verstappen, de apenas 17 anos, o que levou a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) alterar as regras para a obtenção da Super Licença, necessária para participar da categoria, para os próximos campeonatos, se negando a cedê-la a pilotos com menos de 18 anos.

Vettel, porém, minimizou a juventude de Verstappen e garantiu que o holandês tem condições de ser competitivo, sem colocar sob risco outros pilotos. "Eu acho que, apesar do fato de ele ainda ser jovem, acho que tem muita experiência, é rápido, caso contrário não estaria aqui, então não acho que precisa de muitos conselhos. Acalme-se, talvez", afirmou.

Antes da sua estreia pela Ferrari, o alemão avaliou ser factível a meta de conquistar vitórias no seu primeiro ano na equipe italiana. "Bem, isso depende das condições das outras equipes também, mas acho que nós demos um passo. Nós ainda precisamos saber quão grande foi esse passo", comentou Vettel, que faturou os seus quatro títulos mundiais pela Red Bull.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.