Jason Cairnduff/ Reuters
Jason Cairnduff/ Reuters

Vettel nega 'desastre' e Raikkonen diz que teve 'azar e sorte' no fim do GP

Alemão e finlandês sofreram furos nos pneus durante a prova deste domingo, no GP da Inglaterra

Estadao Conteudo

16 Julho 2017 | 16h50

Não foi a corrida que a Ferrari sonhava neste domingo, no GP da Inglaterra. A equipe italiana parecia encaminhar com facilidade uma dobradinha do pódio, logo atrás do líder da prova, o inglês Lewis Hamilton. Mas dois seguidos imprevistos quase implodiram a corrida de Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen. Alemão e finlandês sofreram furos nos pneus e quase abandonaram a prova.

Raikkonen conseguiu trocar rapidamente os compostos e ainda terminou a prova na terceira colocação. Vettel teve menos sorte. Caiu do terceiro lugar para o sétimo. Por pouco não foi superado por Hamilton na liderança do campeonato. O alemão sustenta a ponta por apenas um ponto.

Por isso, ele minimizou os imprevistos do dia. "Poderia ter sido uma corrida um pouco melhor, com certeza. Mas não foi um desastre", disse o alemão. "Acho que tivemos um bom carro hoje, principalmente nas curvas. O equilíbrio estava bom ao longo de toda a prova", comentou.

Vettel, contudo, admitiu preocupação com o superaquecimento dos freios logo no começo da prova. "Os freios quase pegaram fogo na largada e, desde então, fizemos uma corrida difícil. Não consegui passar por Verstappen na pista. Precisamos do pit stop para ganhar a posição", ponderou o alemão.

Raikkonen sofreu o furo no pneu a duas voltas do fim, antes de Vettel. E teve mais sucesso, ao retornar à pista a tempo de finalizar a prova no pódio. "Tudo estava normal até acontecer o furo. Foi muito rápido. O pneu simplesmente explodiu no meio da reta. Mas conseguimos pegar uma posição decente no fim", avaliou o finlandês.

"Fui muito azarado mas de um jeito sortudo", brincou Raikkonen. "Não sei se aconteceu o mesmo com o pneu de Sebastian. Poderíamos ter terminado em segundo e terceiro hoje. Mas não conseguiríamos alcançar Lewis. Não tivemos nenhuma chance real de superá-lo. Obviamente teremos algum trabalho a fazer", declarou o finlandês.

Questionada sobre os pneus, a Pirelli afirmou que vai investigar os dois casos, mas garantiu que se trata de situações diferentes. "Sebastian teve um problema diferente, com perda de ar no pneu", declarou Mario Isola, diretor esportivo da Pirelli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.