Williams mostra a sua força em 2002

Com Montoya em primeiro e Ralf em terceiro no grid de Interlagos, a Williams já deixou bem claro que a vitória na Malásia não foi um acidente e a equipe está na briga pelo título da temporada com seus dois pilotos. Hoje, a combinação entre o potente motor da BMW e os pneus da Michelin rendeu muito bem de novo e a equipe só não fez a dobradinha porque Michael Schumacher tirou uma volta rápida no braço e ficou em segundo. Para amanhã, faz mistério sobre qual estratégia de pneus irá usar na corrida. Para Juan Pablo Montoya, a pole-position mostrou que o time vai brigar com a Ferrari durante toda a temporada. "Estou muito feliz, especialmente porque estamos na frente da Ferrari nova. Isso é muito bom", disse o colombiano, que teve problemas no treino livre da manhã e ficou na sétima colocação. "Tive problemas no freio e não consegui fazer uma volta rápida com pneus novos. Mas eu sabia que nosso carro tem potencial", disse ele, confiante. Mais uma vez, Montoya terá Schumacher ao seu lado na largada. Na última prova, na Malásia, isso aconteceu e os dois pilotos se enroscaram em uma das primeiras curvas de Sepang. O alemão teve de parar nos boxes por perder o bico do carro e ele foi punido, segundo os fiscais, porque poderia ter evitado o acidente. Agora, a FIA promete ser mais severa com acidentes na corrida, punindo eventuais excessos. Ainda assim, Montoya diz que não vai tirar o pé no estreito S do Senna. "As novas regras não vão me afetar em nada. Se você não fizer nada realmente estúpido na largada, não haverá problemas. Uma penaização por causa de uma disputa na primeira curva seria muito pesada", disse. Os três primeiros no treino são os três primeiros no campeonato e devem ser os pilotos que disputarão o título na temporada. Michael é o atual líder, com 14 pontos, seguido de Montoya, com 12 e Ralf, com 10. Mas Montoya diz que a estratégia que será usada na prova de amanhã não será influenciada pela disputa pela liderança. "Ainda está muito cedo para pensar no campeonato, mas acho que isso vai ser muito interessante para a corrida. Quem vencer aqui será o novo líder do campeonato." Ralf Schumacher garantiu que não se importou com o fato de ter ficado em terceiro lugar na briga entre os três favoritos pelo campeonato, principalmente por causa da diferença de tempo entre ele e Montoya, de apenas 237 milésimos. "Não estou desapontado porque estou muito perto dos outros dois. Todos estão muito próximos e não vejo problemas por estar nesta posição, até porque vou estar no lado mais limpo da pista", disse o alemão, que teve problemas na primeira tentativa de volta rápida. Tentou um acerto de carro diferente do que tinha sido feito no treino da manhã e se deu mal. Renault - A grande surpresa do treino foi a Renault. A equipe francesa, que herdou a estrutura da Benetton e voltou a ter um time próprio em 2002, já mostra que ultrapassou a Sauber e se tornou a quarta equipe da F-1. Jarno Trulli ficou em sexto lugar e Jenson Button em sétimo, os dois na frente de Rubens Barrichello. Trulli ficou a menos de meio décimo da dupla da McLaren. "Temos uma série de motivos para estar contentes com a performance de hoje. Conseguimos nos classificar entre os seis primeiros e nossos tempos mostram que poderíamos ter sido ainda melhores se não tivéssemos tido problemas com tráfego. É ótimo saber que já abrimos uma diferença em relação aos outros times médios", disse Denis Chevrier, gerente de operações do time. No treino da manhã, Button foi o terceiro e Trulli o quarto, só um décimo atrás de David Coulthard e Ralf Schumacher. "Nossa performance foi fantástica. Mas é inegável que nós merecíamos mais, mas tivemos problemas com carros mais lentos na classificação", disse Trulli. "Estou muito feliz por estar tão perto da McLaren", disse Button, extasiado.

Agencia Estado,

30 Março 2002 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.