Brasil estréia contra Espanha na Liga

A seleção brasileira masculina de vôlei terá a partir de agora apenas partidas difíceis na briga pelo terceiro título da Liga Mundial, que inicia sua fase final. Em Recife, na próxima terça-feira, o Brasil enfrenta a Espanha às 15h30, com transmissão da Globo e SporTV. Pelo grupo E, o time do técnico Bernardinho ainda jogará contra russos e holandeses na briga por uma vaga nas semifinais. A chave F, que fará as partidas em Belo Horizonte, conta com Itália, Iugoslávia, Polônia e França. Os dois primeiros classificados de cada grupo passarão para as semifinais (no dia 17). Com três derrotas na fase classificatória - todas para a surpreendente Polônia, que deixou a Argentina para trás -, o time brasileiro está cauteloso. "A Espanha não é ruim, só perdeu para a Itália na fase de classificação. Vem como franco-atiradora e nós temos a obrigação de vencer. Isso pode ser perigoso. Temos de estar muito bem preparados para evitarmos surpresas", afirmou Bernardinho. Para o treinador, a seqüência dos jogos é boa, já que o nível de dificuldade aumenta gradualmente. Bernardinho achou a divisão das duas chaves incoerente: "Ficou ruim para a França, que deveria estar no nosso grupo. Não deu para entender o critério. Mesmo porque, dessa maneira França e Iugoslávia, que já se enfrentaram na fase de classificação, estão de novo na mesma chave. O certo seria que a França estivesse no nosso grupo e a Rússia no outro." Bernardinho disse que a Rússia é a melhor seleção, ao lado da Itália. "É melhor que os russos venham depois de Espanha e Holanda, que também serão difíceis. Entre os oito melhores do mundo não tem refresco", garantiu. Os jogadores da seleção brasileira já estão em Minas Gerais, mas na sexta-feira vão a São Paulo para a festa de dez anos da conquista do ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona/92. Em seguida, o grupo viaja para Recife. Bernardinho explicou: "Quero aproveitar ao máximo estes sete dias para dar mais um gás nos jogadores, colocá-los em melhor forma. Jogar com a obrigação de vencer é sempre complicado. A pressão será muito grande sobre o nosso time."

Agencia Estado,

06 Agosto 2002 | 20h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.