Assine o Estadão
assine

vôlei

Cruzeiro é campeão da Copa Brasil e conquista 19º título no vôlei desde 2010

A hegemonia do Sada Cruzeiro no vôlei masculino brasileiro rendeu mais um título. Na noite de sábado, a equipe mineira assegurou a conquista da Copa Brasil de Vôlei ao vencer na decisão o Brasil Kirin, de virada, por 3 sets a 1, com parciais de 24/26, 25/16, 25/21 e 25/20, no ginásio Taquaral, em Campinas, cidade do time derrotado na final.

0

Estadão Conteúdo

24 Janeiro 2016 | 08h53

O Cruzeiro já havia levado o título da Copa Brasil, uma vez, em 2014, e agora volta a ser campeão desse torneio. Desde 2010, quando foi iniciada a parceria entre o time mineiro e a Sada, a equipe já conquistou 19 títulos, o que confirma o seu domínio do vôlei no Brasil.

Entre essas conquistas, se destacam três títulos da Superliga (2011/2012, 2013/2014 e 2014/2015) e dois Mundiais (2013 e 2015). Para o levantador e capitão William, essa rotina de finais e conquistas acabou sendo fundamental para que o Cruzeiro suportasse a pressão de ser visitante e de ainda ter começado perdendo a decisão do último sábado.

"Foi um bom jogo, digno de uma final. O nosso time encarou a final como tinha que ser. Temos um grupo acostumado a disputar título, a enfrentar esses momentos, mas sabíamos que ia ser complicado, principalmente por estar fora de casa. Mas, o time cresceu no momento certo e, independentemente do que vai jogar, entramos em quadra sempre para ganhar", afirmou William

Já o técnico do time de Campinas, Alexandre Stanzioni, lamentou que seus jogadores não tenham mantido o mesmo ritmo do primeiro set nas parciais seguintes. "O jogo foi equilibrado, mas a partir do segundo set nós passamos a sofrer no passe e isso atrapalhou a nossa virada de bola. Contra o Sada Cruzeiro isso não pode acontecer e nós tivemos que forçar e arriscar mais o nosso saque. A equipe mineira foi melhor, mas nós disputamos uma boa final, estamos crescendo e espero disputar mais decisões como essa no futuro", disse Stanzioni.

A Copa Brasil foi disputada por dez times, sendo os nove melhores colocados no primeiro turno da Superliga, além da equipe anfitriã. Como o torneio ocorreu em sistema eliminatório, o Cruzeiro precisou vencer dos jogos, contra Canoas (3 a 0) e Sesi-SP (3 a 2), para se garantir na final.

O JOGO - Na noite de sábado, Cruzeiro e Brasil Kirin fizeram um duelo equilibrado no primeiro set da decisão, que terminou com a vitória da equipe campineira por 26/24, graças a uma boa passagem de Olteanu pelo saque e também em função dos bloqueios e ataques de Wallace.

Esse equilíbrio desapareceu no segundo set, quando o bloqueio do time mineiro foi bem mais efetivo. Além disso, o cruzeirense Wallace foi fundamental para que o time fechasse a parcial em 25/16. Embalado, o Cruzeiro manteve o ritmo no terceiro set, mas o time campineiro conseguiu manter o duelo equilibrado até quando o placar era de 18 a 18. Depois, porém, o Cruzeiro sobrou, liderado por Wallace, e fechou a parcial em 25/21.

Em vantagem, o Cruzeiro abriu 5/1 no começo do quarto set. O time da casa até tentou esboçar uma reação, mas a equipe mineira se aproveitou dos erros do oponente para fazer 14/9. Assim, com tranquilidade, venceu por 25/20, assegurando o triunfo por 3 sets a 1.

O técnico Marcelo Mendez escalou o Cruzeiro com William, Wallace, Éder, Pedrão, Filipe e Leal, além do líbero Serginho. Winters, Fernando, Alan, Éder Levi e Rodriguinho entraram durante o duelo.

Mais conteúdo sobre:

Comentários