Reprodução/Sesi SP Vôlei Twitter
Reprodução/Sesi SP Vôlei Twitter

Murilo comemora retorno às quadras após suspensão por doping

Atleta de 36 anos volta a defender o Sesi-SP com vitória e muda de posição de ponteiro para líbero

Estadão Conteúdo

17 Dezembro 2017 | 11h02

Jogando em uma posição nova, Murilo fez seu retorno às quadras na noite deste sábado. Campeão olímpico pela seleção brasileira de vôlei em Atenas-2004, atleta de 36 anos voltou a defender o Sesi-SP após cumprir suspensão de oito meses por doping - ele fora flagrado com a substância furosemida, que é diurético.

+ Leia mais notícias sobre vôlei

+ Após oito meses suspenso, Murilo retorna ao vôlei em nova posição

+ Cruzeiro é superado pelo Zenit e fica fora da final do Mundial de Clubes de Vôlei

E o retorno foi com vitória, sobre o Sesc, do Rio, pelo placar de 3 sets a 1, com parciais de 25/17, 25/20, 16/25 e 25/18, no ginásio do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo, pela última rodada do primeiro turno da Superliga masculina de vôlei.

"Ainda não é o ideal, é o primeiro jogo, não fiz nenhuma amistoso, e entrei em uma fogueira contra o Sesc RJ, que vem muito bem na Superliga, contra um amigo, que é o Giovane [Gáveo]", comentou Murilo, que era ponteiro, mas agora vai jogar na posição de líbero.

"Foi um período muito difícil, a mudança de posição é complicada, mas este é um momento muito especial. Agradeço a todos e tudo torna o meu dia muito especial", declarou o jogador, que tem ainda duas medalhas de prata olímpicas em Pequim-2008 e Londres-2012.

Murilo está no Sesi-SP desde 2011 e já foi campeão nacional pela equipe, na temporada 2010/2011. Pela seleção, tem três medalhas olímpicas pelo Brasil e acumula dois títulos mundiais, obtidos em 2006 e 2010, e um vice-campeonato do mundo em 2014.

Com o resultado deste sábado, o Sesc RJ se manteve em segundo lugar na tabela da Superliga, com 28 pontos. O Sesi-SP continua na quarta colocação, mas agora com 24 pontos.

Mais conteúdo sobre:
Vôlei Murilo Cruzeiro Esporte Clube Vôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.