Marcelo Dias/InovaFoto/CBV
Marcelo Dias/InovaFoto/CBV

Rio de Janeiro bate Minas e joga final da Superliga Feminina pela 13ª vez seguida

Equipe carioca enfrentará o Osasco, contra quem disputou o título por onze ocasiões

Estadão Conteudo

14 Abril 2017 | 23h02

Os números não mentem e mostram quem são as maiores forças do vôlei feminino do Brasil. Pela 13.ª vez consecutiva, o Rio de Janeiro está na final da Superliga. E pela 11.ª vez nestes 13 anos a decisão será contra o Osasco-SP. Nesta sexta-feira, o time carioca derrotou o Minas-MG por 3 sets a 1 - com parciais de 25/15, 26/24, 21/25 e 25/20, em 1 hora e 49 minutos -, na Arena da Barra, no Rio, e fechou a disputada série melhor de cinco em 3 a 2. Há uma semana, o rival paulista já havia feito a sua parte contra o Praia Clube, de Uberlândia (MG).

Na história, o Rio de Janeiro já conquistou 11 títulos, sendo que seis deles foram em cima do Osasco. O time paulista tem cinco, sendo que três aconteceram neste período em que a equipe carioca não deixa de frequentar um dos dois lugares mais altos do pódio da Superliga. Assim, a definição de mais uma taça está reservada para o próximo dia 23, um domingo, às 10 horas, na mesma Arena da Barra.

A central Juciely se destacou no confronto e foi eleita a melhor da partida. Ao final do duelo, a atacante comentou sobre a atuação das cariocas e destacou a força do grupo.

"Sabíamos desde o começo que não seria uma série fácil. O Minas é uma grande equipe. Conseguimos sair de um momento de muita dificuldade depois de perder duas partidas seguidas em casa. Essa equipe é marcada por grandes viradas e, talvez de todas que eu vivi aqui dentro, essa tenha sido a mais difícil pela grandiosidade da equipe delas. Nosso time está de parabéns pela união e a força do nosso grupo", disse.

Outro destaque das cariocas nas semifinais, a ponteira Drussyla, de 20 anos, agradeceu a chance recebida pela comissão técnica e o apoio das companheiras. "Fiquei muito surpresa e agradeço muito a toda comissão técnica e o apoio das jogadoras pela confiança no meu trabalho. Sempre vou tentar dar o meu melhor para esse grupo", afirmou.

Mesmo chateada com o resultado negativo, a ponteira Jaqueline, do Minas, fez questão de elogiar o adversário e o seu próprio time pela boa campanha na Superliga.

"O Rio de Janeiro está de parabéns. Infelizmente, não conseguimos impor nosso melhor jogo nos momentos de definição, quando estávamos na frente, não conseguíamos nos manter, mas tudo isso faz parte. O Minas também está de parabéns por tudo que fez, por essa campanha maravilhosa. A nossa equipe lutou até o final, mesmo enfrentando um time que está 13 vezes na final, fizemos jogo a jogo com elas. Agradeço a todos os torcedores que torceram por nós e ficou claro que isso se tornou um clássico. Poderia ser uma final. Mas, jogar contra o Rio, eu sempre falei, é muito difícil e elas estão de parabéns", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.