Marcos de Paula/Sesc-RJ
Marcos de Paula/Sesc-RJ

Sesc-RJ e Praia Clube disputam primeira partida da final da Superliga Feminina

Time carioca é o atual pentacampeão do torneio e venceu o rival mineiro na edição de 2016 do campeonato

Estadão Conteúdo

15 Abril 2018 | 05h14

Na tentativa de quebrar a hegemonia do técnico Bernardinho na Superliga Feminina de vôlei, o Dentil/Praia Clube-MG enfrenta neste domingo o Sesc-RJ na primeira partida da final do torneio, embalado pela melhor campanha na competição. O time de Uberlândia (MG), comandado pelo treinador Paulo Coco, quer mostrar a sua força mesmo fora de casa, na partida que começa às 10 horas na Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro.

+ CBV aguarda posicionamento da FIVB para poder convocar Tiffany

+ Técnico do Osasco vai atrás de patrocínio após saída da Nestlé

+ Mais notícias de Vôlei

A equipe do Rio de Janeiro é a atual pentacampeã e já venceu o Praia Clube na decisão em 2016. Por isso, as jogadoras sabem da difícil missão. "Vamos jogar a decisão contra um time com muitos títulos, atual campeão e acostumado a jogar finais. Do nosso lado chegamos fortalecidos depois de uma série semifinal muito difícil contra o Vôlei Nestlé. Acredito que serão partidas muito equilibradas e com muita emoção", afirmou Fernanda Garay.

Do outro lado, a ponteira Gabi prefere jogar a pressão para as rivais. "Vivemos momentos difíceis nessa temporada e acredito que o Dentil/Praia Clube é o favorito. Disputei cinco finais de Superliga decididas em um único jogo. Com a final disputada em duas partidas, o cenário muda um pouco. A equipe pode jogar muito bem, vencer primeira partida e depois perder a segunda levando a decisão para o super set. Então temos que aproveitar essa oportunidade de jogar com o apoio da nossa torcida", comentou.

 

O segundo jogo da decisão será no domingo que vem, também às 10 horas, no ginásio Sabiázinho, em Uberlândia. Caso cada uma das equipes vença um jogo por qualquer placar, o título será decidido no "Golden Set".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.