Vôlei: garotas realistas no Mundial

A seleção brasileira feminina de vôlei já treina em Leipizig, na Alemanha, onde estréia nesta sexta contra a Polônia no Campeonato Mundial. A equipe do técnico Marco Aurélio Motta chegou à cidade, que é sede do grupo D, na terça-feira à noite, após período de uma semana de treinamento na Itália ? o Brasil venceu dois amistosos preparatórios (por 3 sets a 2) contra os Estados Unidos e contra a Itália. ?Nos identificamos mais a cada dia. Agora já sei quem está do meu lado, o que aquela pessoa está pensando. O time está ganhando cara de time mesmo?, afirmou a meio-de-rede Karin Rodrigues, a mais experiente do grupo. Karin, no entanto, sabe que o Brasil tem uma equipe inexperiente e abaixo tecnicamente e fisicamente de Rússia e China, as favoritas ? as chinesas estão na mesma chave do Brasil, que tem ainda as seleções da Austrália, Grécia e Tailândia. ?É um grupo bem jovem. Muitas das nossas jogadoras não são nem titulares em seus clubes no Brasil. Falta nível internacional e qualidade técnica, já que não estaremos jogando contra qualquer um.? Para a central, se o Brasil terminar entre as cinco melhores seleções, já seria uma boa campanha ? no Grand Prix da Ásia, o Brasil perdeu a medalha de bronze para as alemãs. Marco Aurélio, prestes a estrear na oitava competição oficial à frente da equipe feminina, acredita que o Mundial será muito equilibrado. Observa que a Itália cresceu muito nos últimos anos, que as norte-americanas não fizeram bons jogos nessa temporada e as cubanas, com um time muito renovado, ainda são uma incógnita. ?A Holanda e o Japão também fazem parte de um grupo intermediário que estará brigando para surpreender.? De acordo com ele, somente dois times estão num nível acima dos demais: Rússia e China.

Agencia Estado,

28 Agosto 2002 | 18h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.