Volta dá novo ânimo a Marcelo Negrão

Marcelo Negrão, de 29 anos, contava os dias para voltar à quadra e ao convívio com os companheiros do vôlei. Ficou tanto tempo longe dos saques, ataques e bloqueios que precisava reencontrar as referências do jogo. O jejum de bola nunca foi tão longo. Aos 16 anos, ele já jogava nas seleções infanto-juvenil e juvenil, ao mesmo tempo, e nenhuma contusão o afastou por tantos meses. Desde maio, quando rompeu o tendão patelar direito e submeteu-se a duas cirurgias, havia esquecido "como é gostoso" bater na bola. Há uma semana, Marcelo Negrão trocou a atividade que fazia no Hospital Albert Einstein pela aparelhagem da equipe do Suzano. Agora, ele faz deslocamentos de jogo e bate bola com os companheiros de time, mas sem saltar. O reforço muscular, com angulação e pesos, tem acompanhamento específico, também no clube. "Agora estou animado e confiante." "Ele estava deprimido e ansioso. Achamos que seria benéfico se o Marcelo continuasse a fisioterapia e o trabalho de fortalecimento da musculatura no clube, perto dos amigos", afirmou o ortopedista Dan Oizerovici, especializado em joelho e medicina esportiva. A experiência, que considerou desagradável, de fazer fisioterapia em um hospital, também deu a idéia para seu novo negócio. Negrão montou uma clínica de fisioterapia dentro de uma academia, na capital. É a Runner Marcelo Negrão. "É deprimente ir ao hospital para a fisioterapia. Muito melhor se for em uma academia, onde o ambiente é o do atleta, um clima bem melhor", explicou o atleta. Parâmetro - Dan Oizerovici explica que Negrão está 70% recuperado e poderá voltar a jogar em três ou cinco meses. "O tendão patelar direito está cicatrizado, mas precisa adquirir fibras próprias. Para evitar futuras contusões, tem de recuperar a musculatura perdida na perna", revelou o médico, que prefere não comparar o caso com o do atacante Ronaldo, da Inter de Milão, que sofreu o mesmo tipo de contusão. Dan Oizerovici disse que Ronaldo não é parâmetro para Marcelo Negrão porque pratica outro esporte e, assim, faz esforços diferentes. "O Ronaldo parece ?atleta fabricado?, com muito músculo e pouco tendão. Um motor de Monza em um Corsa." Mas a volta de Ronaldo, que deve estar na lista dos convocados para o amistoso da seleção brasileira, contra a Iugoslávia, em Fortaleza, inspira Marcelo Negrão. "Não é fácil ficar tanto tempo longe dos jogos e treinos. É preciso acreditar em si próprio. Torço pelo Ronaldo, para que essa seja a Copa dele."

Agencia Estado,

11 Março 2002 | 18h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.