As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boleiros politizados (I)

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

20 de fevereiro de 2013 | 23h20

Edu: Tivemos um veto ideológico em um time espanhol? Mais um.

Carles: Mais um? Salva Ballesta causou confusão por onde passou ao longo da sua tumultuada carreira, é esse o motivo, segundo a direção do Celta, para que não fosse contratado para a nova comissão técnica do time.

Edu: Você acredita?

Carles: Não, parece uma desculpa, mas responde a uma pressão de parte da torcida. E você, acha condenável vetar o Salva Ballesta ou pior é o papelão do Abel Resino, que aceitou o posto de técnico, apesar do veto a seu auxiliar?

Edu: Vamos só relembrar. Salva é aquele ex-atacante que passou por vários times na Espanha e nunca escondeu suas posições políticas. Comemorava os gols fazendo continência, criticava abertamente os colegas que defendiam posições mais, digamos, progressistas e democráticas e chegou a dizer que gostaria de conhecer o Tenente Coronel Tejero, aquele que tentou um golpe de estado em 1981, que ficou conhecido como 23F (23 de fevereiro).

Carles: Esse mesmo. Tampouco tenho problema de dizer publicamente: não merece o meu respeito nem minha solidariedade. Digamos que se fez uma espécie de ‘justiça poética’ com quem um dia propagou o veto a Oleguer Presas, ex-jogador do Barça e do Ajax, justamente por suas convicções ideológicas, progressistas. Oleguer, como Ballesta, é um trabalhador de desempenho médio como muitos de nós e se consagrou mais pelos seus escritos e manifestações contra o atual estado de direito e o “imperalismo” central no território espanhol.

Edu: Não acho condenável o veto ideológico, não. E ainda mais legitimado pela torcida, já que a reação da comunidade é que provocou o veto. E no episódio  Oleguer, que questionou abertamente o Estado de Direito na Espanha em uma passagem envolvendo o tratamento dado a um ex-condenado do grupo ETA, a reação do tal Salva foi medieval. Ele disse na época que Oleguer não merecia mais respeito do que ‘cocô de cachorro’. De certa forma, tudo contribuiu para a saída de Oleguer do Barça e até abreviou sua carreira no Ajax. Oleguer não era um cara do meio futebolístico tradicional.

Carles: Não tinha celular, andava numa kombi velha, figura romântica e, de alguma forma, vítima de um acosso ideológico, esse sim, patrocinado por grandes grupos empresariais de comunicação. Mas não me sai da cabeça a sua pergunta, mais um? Não consigo lembrar de outros caso, talvez seja memória seletiva. Refresque minha envelhecida memória, por favor.

Edu: Foi só uma provocação. Também não me lembro. Lembro sim de várias passagens envolvendo manifestações e posições políticas no meio futebolístico, o que é muito legal na Espanha. E, infelizmente, muito raro por aqui. É claro que o nível de politização da sociedade é o que pesa nessas ocasiões. Mas o pessoalzinho do futebol tupiniquim é muito submisso e medroso para manifestar opiniões mais comprometedoras, com pouquíssimas exceções.

Carles: Essa foi a alegação do “muraço” José Ramón de la Morena ontem, na Cadena Ser, de que o grande problema do Salva foi manifestar-se abertamente e não as suas convicções. Isso vindo do jornalista mais ouvido da rádio nacional (madrilenha) e teoricamente alinhado com a ideologia progressista. Teoricamente.

Edu: Que é isso? Como se todo mundo já não conhecesse o Salva. Aliás, seria bem melhor que o normal fosse se manifestar como o Salva fez, para que o outro lado se manifestasse também. Para que todos os lados se manifestassem, enfim. Tudo funcionaria melhor. Mesmo assim, visto de fora, o que acontece na Espanha , e também na Itália, é bem mais saudável do que aquele mundo de ETs da Inglaterra, por exemplo, que só têm um caminho quando saem do assunto futebol: falar de periguetes, apostas e carros. Ou como aqui, esta pasmaceira, onde falar de política, ou se posicionar sobre o assunto, parece um disparate.

Carles: Realmente é assim, mas tanto Itália e Espanha têm uma tradição de politização no entorno laboral, o que inclui os trabalhadores do esporte. A questão é que, cada vez mais, esse tipo de posicionamento se torna incompatível com a grana dos patrocinadores, ofende os capitalistas e seus interesses dentro do esporte,o primeiro a abandonarem o barco do Oleguer quando da polêmica foi o seu patrocinador de material esportivo pessoal, a Kelme. Ele recebeu o apoio da maioria popular catalã e, finalmente, o patrocínio de uma empresa esportiva catalã. Provavelmente, havia uma conveniência comercial naquele momento para eles.

Edu: Nessa discussão sobre jogadores politizados, acho que a gente precisa abordar um lado um tanto desolador: por que a maioria, e incluo os poucos daqui que se manifestam, tem posições tão retrógradas e conservadoras em relação a temas sociopolíticos? É só fruto do meio em que vivem? É deficiência de formação? Veja os italianos: há sempre um fascista que sai da toca e os progressistas são raros. Mas acho que é tema para o segundo capítulo desta pequena série. Que tal?

Carles: Muito boa ideia, vou tentar me manter isento durante a série, sei que posso, hehehe.

Edu: Tenho minhas dúvidas.

Carles: Eu também.

 

(*) Links de textos e áudios que podem ajudar a entender melhor esta conversa:

Artigo do ex-jogador Oleguer Presas sobre o estado de direito da nação espanhola (2007):

http://librexpresion.org/oleguer-presas-de-juana-chaos-y-el-estado-de-derecho

Reação pública de Salva Ballesta ao artigo de opinião de Oleguer Presas (2007):

http://www.20minutos.es/noticia/201118/0/salva/levante/oleguer/

Em entrevista, Oleguer confirma que renunciou à seleção espanhola (2012):

http://www.mundodeportivo.com/20121119/fc-barcelona/oleguer-presas-cup-elecciones-catalunya_54355378122.html

Entrevista de Salva Ballesta a “El larguero”, programa de radio da Cadena Ser comandado por José Ramón de la Morena (18/02/2013):

http://www.cadenaser.com/deportes/audios/salva-ballesta-lamentable-confunda-deporte-politica/csrcsrpor/20130219csrcsrdep_1/Aes/

Artigo em Público sobre o caso Salva Ballesta vetado pelo Celta:

http://www.publico.es/deportes/450958/salva-ballesta-lo-unico-que-he-hecho-es-enorgullecerme-de-ser-espanol-y-eso-a-algunos-no-le-gusta

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.