As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brazucas para agitar o time do Marquês

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

28 de fevereiro de 2014 | 21h03

Edu: Dois brazucas na lista do Marquês Del Bosque para pegar a Itália. Você acha que essa relação tem cara de definitiva, com exceção do Piqué, que está fora por contusão? Velhos membros da família, como Villa e Torres, estão mesmo fora da Copa?

Carles: Se não é uma lista definitiva, é uma declaração de intenções. Alguns dos convocados passarão pela última prova, seguramente não de jogo mas de convivência. Imagino que Del Bosque pretende sentir justamente jogadores como Thiago e Costa participando do grupo, mesmo porque seria uma injustiça ter que arrebentar nesse amistoso para poder estar na lista definitiva. Chama especialmente a atenção que é primeira vez que aparecem só dois centroavantes autênticos.

Edu: Na justificativa, ele foi meio taxativo ao dizer que é um grupo para enfrentar a Itália. E ponto. A lista final é outra história. Ficará por enquanto essa impressão: será um teste para Diego Costa se ambientar? Será um consolo para Thiago no momento em que tem sua melhor fase pós-Barcelona? Na hora H, voltarão Torres e Juan Mata? É claro que o Marquês tem margem para testes, porque jogadores como Torres e Mata ele já conhece muito bem. Mas não é um amistoso qualquer, contra a Itália, no Vicente Calderón. Pode até ser uma lista quase definitiva… e sem Aberloa!

Carles: Ufff, custou! Desejo tudo de bom para o bom do Alvarito, mas longe do meu time. Juanín Mata, na verdade, não veio nesta por uma questão burocrática entre a federação e o United, que pedia para ter sido avisado antes. Mata vai ao Brasil, certeza. Torres, não se sabe, provavelmente se Diego Costa convencer, dificilmente ‘El Niño’ estará. Lembro-me de um dos primeiros 500 aC em que ressaltávamos a falta de repertório do jogador do Chelsea, algo que sim oferece Costa. Thiago também é alternativa, proporciona o que não oferecem outros. Parece que é esse o principal critério de Vicente del Bosque nesta lista, jogadores que ofereçam opções diferentes em vez de perfis clônicos.

Edu: No caso do Diego, dificilmente Del Bosque vai deixar de aproveitá-lo e não só por sua fase atual. É um jogador explosivo como poucos no futebol de hoje, uma alternativa que até outro dia a Espanha não tinha, devido à placidez de David Villa, Soldado e mesmo de Torres. Se o técnico preferir o atacante do Chelsea em visível declínio na carreira é porque, de fato, pensa mais na relação afetiva com Torres do que na questão técnica. Quanto ao Thiago, pelo que você diz, ali no meio tem duas vagas para três, Koke, Mata e Thiago. Além dos fixos, claro (Xabi, Xavi, Busquets, Silva e Iniesta). É isso?

Carles: Não é bem assim, na lista ele coloca Silva como atacante e isso pode demonstrar uma intenção clara. Não que o selecionador pretenda mudar a posição do jogador canário, mas como provavelmente ele decida levar só dois jogadores de área, aparecerão, por exemplo, Silva e Navas como atacantes, quando quem deve fazer o papel eventual de falso 9 em alguns jogos seja Cesc, que aparecerá na lista como meio-campista. Desse modo, ele cria mais vagas no meio, zona que ele considera chave para poder mudar um jogo. Javi Martinez aparece como zagueiro, mas é também alternativa para Busquets. Pode se dar o caso de que o time jogue com a dupla Alonso e Koke à frente da zaga.

Edu: Então, nessa história, vai sobrar mesmo para Thiago ver a Copa pela TV. Ou você acha que ele pode optar por deixar de lado um dos clássicos? Pessoalmente, não acredito.

Carles: Acho que ele está tentado a levá-lo como alternativa a Xavi, embora Koke possa fazer uma função semelhante. O problema é que o jogador do Atlético ainda não alcançou na seleção principal o mesmo rendimento que no seu clube. Digamos que Thiago tem 50% de chance, mas, como disse, o treinador está criando mais vagas no meio de campo, inclusive podendo levar um só central reserva, já que tem Martinez, e até um só lateral reserva como opção para ambos os lados. Neste caso, seria Arbeloa, que eu vi um par de vezes jogando até  bem na esquerda, ou Azpilicueta que tem jogado por ali com Mourinho. Só falta o marquês peitar essa escolha técnica e romper com a família Del Bosque, a exemplo do amigo Felipão, não?

Edu: Acho bem improvável. Ao contrário, minha conclusão é que, para esta Copa, nada de renovação na turma de Del Bosque. Concorda? Acho que, na lógica do Marquês, como de todo técnico conservador (Felipão é até mais), a moçada que levou a Espanha à glória merece a honra de defender o título. Até por isso ele vai abrir mão, por exemplo, de um terceiro goleiro muito melhor do que Reina, como é o caso de Diego Lopez. Também tenho a impressão de que até Arbeloa voltará no momento final. E ele homenageará outros na tal lista prévia dos 30 que todo treinador tem que apresentar à Fifa.

Carles: Mais esperança do que analise da minha parte, talvez. Mas vou apostar pela coragem de Del Bosque porque é uma Copa, provavelmente a aposentadoria do Marquês, e não seria má ideia que ele optasse por levar os melhores jogadores. Que pensasse muito bem antes de levar qualquer peso inútil na bagagem, só como forma de homenagem. Não é o caso de Reina, com poucas chances de jogar mas com peso específico no vestiário. Já Arbeloa, andou perdendo muitas das alianças extracampo que o mantinham no grupo, mas é possível que, no final, só perca a condição de titular, mesmo.

Edu: Daqui a três meses posso ter a prova em contrário e queimar a língua, mas acho que é uma oportunidade perdida de formar um time bem mais arejado, técnico e habilidoso, sem perder a competitividade. Isso porque nem falamos em Isco, Jesé e outros…

Carles: Jesé deve estar entre os 30, mas possivelmente fica para a próxima mesmo. Quanto a Isco, pobre, fez uma má escolha no início da temporada e acabou pagando o preço de não ter arriscado, como fizeram Navas e Negredo. Provavelmente a Premier vai garantir os ex-sevillistas no grupo que vai ao Brasil enquanto o malagueño queima na fogueira das vaidades em Chamartín.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.