As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Do jeito que o europeu gosta

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

29 de abril de 2013 | 20h51

Carles: Depois das pedras preciosas, do pau-brasil, agora, é a grama! Parece que os gramados no Brasil vão estar aparadinhos para a Copa, curtos, seguindo a preferência das equipes europeias. Você tem notícias disso?

Edu: Os gramados que foram testados até agora, de quatro estádios, estavam bem curtos mesmo. Se foi para agradar os europeus ninguém aqui percebeu isso, se bem que os times brasileiros normalmente preferem de fato a grama um pouco alta. O mais complicado para a Copa das Confederações será a qualidade da grama, que foi plantada há pouco tempo e já vai entrar no ritmo de jogos seguidos. No Mineirão, por exemplo, houve problemas no amistoso Brasil e Chile.

Carles: Os times europeus, nas cada vez mais raras excursões ao Brasil, queixam-se dos gramados altos. A argumentação é que favorece o jogo mais cadenciado e de alguma forma lento do futebol brasileiro. Inclusive é uma das questões a ser consideradas na adaptação dos jogadores brasileiros quando chegam aqui. Nem todos claro, alguns conseguem fazer embaixadinha com tampa de refrigerante em cima de uma corda bamba. Por aqui, os grandes times pelo menos tentam jogar com o gramado bem aparado e um pouco molhado para facilitar a circulação rápida da bola.

Edu: Os brasileiros que se queixam dos gramados na Europa, pode estar certo, estão buscando desculpas. Porque a grande dificuldade dos gramados brasileiros – para jogadores brasileiros – não é a altura da grama nem o fato de a bola correr mais ou menos, mas a irregularidade do terreno, os remendos, os buracos, a falta de nivelamento, o que talvez explique a embaixadinha com tampa de refrigerante. Claro, não falo dos maiores estádios, mas dos muitos campinhos que mesmo os craques de primeira grandeza precisam desbravar neste país. Talvez a Copa comece a mudar um pouco isso.

Carles: Você acredita que os estádios para a Copa, pelo menos os mais importantes, os das fases decisivas, devam passar no teste então? Claro que a característica dos gramados e do próprio terreno tem um pouco a ver com o clima e com a composição dos solos. Uma dificuldade adicional. Mas nada que um pouco de investimento em Pesquisa e Desenvolvimento não consiga resolver. É hora de desenvolver tecnologia própria, não?

Edu: Não tem por que não se fazer, neste momento, os melhores gramados que existem. Há bons campos aqui, que já utilizam tecnologia própria, com as devidas adaptações ao clima. Com tanto dinheiro nas novas arenas, só não serão feitos gramados perfeitos se os gestores não quiserem, mesmo porque o gasto com o gramado é ínfimo perto do preço total de uma obra desse porte. E, claro, não tem sentido fazer um estádio moderno e funcional se o terreno de jogo for um pasto. O problema maior, como por exemplo acontece no novo Maracanã, é mesmo o atraso da obra estrutural que, no fim das contas, compromete o último serviço, ou um dos últimos, que é a montagem do gramado. Nesse ponto, aliás, defendo que a Fifa seja muito mais rígida do que em outras frugalidades, como a bobagem de proibir venda de comidas típicas nas cercanias dos estádios… Completa estupidez dos suíços.

Carles: Mas que pelo que sei foi revogado, ou nem chegou a vigorar.

Edu: Ainda não foi revogado oficialmente, mas será. A repercussão foi de tal forma indignada que os cartolas da Fifa foram obrigados a recuar.

Carles: Segundo uma entrevista do Fenômeno ao Diário As, de Madrid, o mérito desse “consenso” quanto aos gramados é dele: “No campos de futebol do Brasil, os gramados sempre foram muito altos e mais espessos do que na Europa. A primeira coisa que fiz quando fui nomeado embaixador do Comitê Organizador Local foi pedir que em todos os estádios a grama fosse como na Europa, curta e fina. É claro que esse tipo de gramado  favorece aos brasileiros! Esse tipo de gramado favorece a todos os bons jogadores, espanhóis, brasileiros ou de qualquer país.”

Edu: Imagino que esta seja ainda a visão europeia do Ronaldo, que como todos os brasileiros que retornam têm aquele choque inicial com os gramados daqui. No Brasil, dificilmente você vai ouvir um bom jogador criado aqui reclamando de um gramado de média qualidade, com mínimas condições de jogo. O craque mesmo só vai protestar quando for um terreno impraticável, já que o ‘cabeça de bagre’ nem isso vai fazer. E, lógico, o Iniesta vai querer um gramado perfeito para desfilar, mas o Neymar pode se virar em qualquer canto. Talvez seja uma das poucas ‘vantagens’ que o futebol brasileiro ainda tenha.

Carles: Mas depois de provar o filé, é difícil se conformar com menos. Caso do Ronaldo e que, mais cedo ou mais tarde, será do Neymar também. Segundo o diretor de comunicações da FIFA, Walter de Gregorio, “existem campos no Brasil com até sete tipos distintos de grama e que tem que ser trocados por um único tipo”. Será que isso é uma tentativa de enriquecer alguém com a empreitada ou é real? Na verdade, Gregorio se referia à dificuldade de atender totalmente à solicitação de Ronaldo, pelo seu elevado custo.

Edu: É real. Tão real quanto o fato de alguém fazer bons contratos com os novos gramados, como é de praxe quando se trata de Fifa. Temos uma tênue esperança que os novos estádios ajudem a começar a mudar a cultura dos gestores de praças esportivas. Essa história dos muitos tipos de grama no mesmo campo ainda é uma clássica ação estúpida dos administradores com mentalidade vira-lata. Fazem como no asfalto das ruas das grandes cidades: em vez que gastar 100 com uma grande reforma, gastam 200 com dez pequenas reformas, a 20 cada uma. E saem dizendo que economizaram.

Carles: Também não pense que aqui é tudo uma maravilha. Já houve muita enganação, contratatos com empresas teoricamente especializadas para a troca do gramado inteiro de um estádio, em regime de emergência, a ponto de iniciar a liga para, depois, o gramado começar a soltar inteirinho. Por imperícia na colocação, não cumprimento dos prazos necessários para consolidação das placas ou o uso de um tipo de grama inadequado ao clima, trazido não sei de onde. E não estamos falando só de pequenos times, aconteceu com o Real Madrid, com o Barça, com o Atlético de Madrid…

Edu: Tem razão, picareta é uma raça globalizada.

Carles: Não vai acontecer, mas imagina se o Messi decide amanhã que o Bayern não vai para a final.

Edu: Aí a hecatombe de Chamartín é amanhã mesmo.

Carles: 5 a 0 no Bayer é impossível, mas…

Edu: O time é muito estruturado, Carlão.. e não vai desperdiçar chances como o Borussia fez hoje.

Carles: Não se esqueça que o Camp Nou é cenário de alguns traumas para o Bayern…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.