As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E Valência descobriu Lucas…

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

14 de fevereiro de 2013 | 15h55

Carles: Estive terça-feira na minha terra, em Valencia, para a inauguração de uma nova avenida: Lucas Moura.

Edu: Que tal? Bem movimentada né?

Carles: De mão única. O pessoal de Valencia não acompanhou o ritmo do garoto.

Edu: Engraçado este início de trajetória do Lucas na Europa. Na França parecem maravilhados com menos de um mês de PSG. Contra o Valência fez duas ou três coisinhas e encantou a Espanha. Nem acho que seja um fenômeno, mas garanto que vocês ainda não viram praticamente nada do verdadeiro Lucas.

Carles: Bom, eu já tinha visto algo dele por aí no Brasil e, desculpe-me, mas na minha opinião, na terça-feira ele fez um partidaço. Inclusive porque assimilou perfeitamente do jogo em equipe. Por isso deu a impressão de que só fez duas coisinhas. Quando foi acionado e foi muito, fez o melhor possível – solto, veloz e com habilidade. Os mais conservadores diriam até que ele foi individualista, mas, para o meu gosto, foi perfeito.

Edu: Não, não, ele foi bem, sim, mas para o pouco que foi exigido. Só acho que chamou mais a atenção por ter feito, em meio tempo, o que o time todo não fez: teve iniciativa. E foi incomparavelmente melhor que o Ibra. Mas o Lucas é um jogador muito intenso, capaz de fazer 20 grandes jogadas numa partida. Talvez ainda estejamos muito acostumados a isso aqui no Brasil. E ninguém se conformou com o Ancelotti ter tirado ele de campo com cinco minutos do segundo tempo. Coisas de um retranqueiro, apesar de o Lucas ter sofrido uma contusão leve.

Carles: Creio que o Ancelotti com essa atitude ofendeu os valencianistas, porque considerou o jogo ganho e quis poupar o Lucas. Claro que não perdeu a oportunidade de colocar um jogador defensivo no lugar.

Edu: Ele é bem defensivista, desde sempre. Do contrário teria colocado o Menez e não um volantão como o Clément Chantôme. E não conheço tão bem o time do Valência assim, mas que tipo de marcação mais dura poderiam fazer? Tem todo esse material humano? O Valverde é tão milagreiro assim?

Carles: Considero o Ernesto ‘Txingurri’ (formiga, em basco) Valverde um bom treinador. Aliás foi o pioneiro da nova filosofia do Athletic de Bilbao. Com ele no comando, vimos o primeiro Athletic de jogo vistoso e ofensivo. Quanto ao Valencia, está de capa caída, a cada seis meses vende seus jogadores valorizados para pagar as dívidas. Diria até que faz um bom papel com o material humano de que dispõe. Ricardo Costa e Rami são voluntariosos. E ponto. O Banega, ex-futura-estrela argentina não toma jeito na vida e isso reflete no rendimento dele em campo.

Edu: Em Paris, no jogo de volta, você vê o Valência buscando o ataque?

Carles: Ou dá ou desce, né meu amigo, caso não busque o ataque, você vê outra alternativa? Tem que fazer dois gols ou adeus à Champions, o gol do Rami nos descontos só garante prorrogação no caso de sofrer um gol. Mas muda pouco.

Edu: Então acho que o time não escapa de uma goleada. É jogo ideal para Lucas e Lavezzi, ainda mais que o Ibra não vai jogar. Os dois terão mais espaços e não terão aquele sueco intimidador berrando no ouvido deles. Certamente o Pastore também fica mais à vontade.

Carles: Bingo.

Edu: O Lucas precisa disso: sentir-se à vontade.

Carles: É, mas vai ter que entender esquema tático, se não já nasceu morto.  A não ser que atinja um status de prestígio como o de Messi ou Cristiano, que têm outros 10 jogando para eles.

Edu: Lucas tem uma trajetória interessante. Surgiu na mesma época do Neymar, um pouco à sombra dele, fizeram carreira juntos nas seleções de base. Não conseguiu escapar de uma comparação com o cara mais badalado do futebol do Brasil. Mas não tenho dúvida – eu e muita gente – de que está mais pronto para a Europa do que o Neymar.

Carles: Talvez porque não chegou a sofrer tanto o acosso da mídia, não esteve tanto sob os focos como o Neymar. Veio com um pouco menos de responsabilidade.

Edu: Isso teve influência, sim. Boa influência, menos pressão. Mas ele também tem boa noção tática, é privilegiado fisicamente e muito concentrado. Só precisa disso que você viu um pouco em Valência: jogar solto. Com responsabilidade, mas solto.

Carles: Olha, se vocês administrarem bem o jogo de egos, com jogadores como Lucas, Neymar, Oscar, não têm do que se queixar. E mais com gente aplicada mas talentosa como Paulinho no meio…

Edu: Curioso é que o Lucas se retraiu na Seleção Principal. Acho que ainda não teve um técnico que desse a moral que ele precisa. Não foi o Mano nem será o Felipão. Mas pode ser, sim, um  trio de craques de respeito para o Brasil de 2014.

Carles: Eu ponho no meu time.

Edu: Você e Mourinho. O português andou namorando o Lucas um tempo. Mas parece que era muito caro para o Florentino.

Carles: E é religioso, como os dirigentes aqui gostam.

Edu: Mas é um padrão diferente de bom moço. Não faz o tipo monge, gosta das coisas que os jovens gostam, também vai às suas baladas. Mas é extremamente disciplinado, nunca cometeu um deslize grave no São Paulo. Por isso, fez a cabeça dos europeus.

Carles: Alguns dirigentes acham que ao contratar os jogadores brasileiros religiosos estão prevenindo uma possível vida de festas e discotecas. Ledo engano. Bom, não conheço detalhes da vida privada do Lucas, mas melhor para ele, poderá usufruir as delícias de Paris sem descuidar da carreira.

Edu: Acho que precisamos entrar mais em detalhes sobre esse assunto do conceito que os grandes times europeus têm dos brasileiros adeptos de uma vida mais agitada. Aí na Espanha, por exemplo, já teve de tudo. Os dois Ronaldos ganharam o título de Melhor do Mundo no auge das baladas. E jogadores como Kaká e Rivaldo, praticamente santos, também ganharam. Então, qual é a lógica? Por que Barça e Real Madrid, por exemplo, não se dedicam a uma política de orientação em vez de se limitarem a controlar, vigiar e punir? A proposta de um post sobre esse tema está lançada.

Carles: Meia verdade. Sabe como é… fazer a cama e deitar na lama e, por outro lado, os engravatados sempre tem uma visão preconceituosa dos artistas, é certo… aceito a proposta, tem pano pra manga.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.