As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kaká foi pouco para Diego Costa

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

19 de fevereiro de 2014 | 20h52

Edu: Algo acontece nas noites de Champions. Os quatro que jogaram em casa foram derrotados na primeira rodada das oitavas… Algum poltergeist nos gramados europeus?

Carles: Mas eu não falaria em injustiça. Ou você acha que City, Leverkusen, Milan ou Arsenal mereciam outro resultado?

Edu: Fiquei um pouco penalizado com o Arsenal, que encarou o Bayern com altivez, fez 20 ou 25 minutos bastante dignos, chegou a encurralar o time de Guardiola. Mas aí veio o pênalti perdido por Özil…

Carles: E o do Alaba… Bom, o Milan, melhor dizendo, Kaká também deu um pequeno calorzinho ao Atleti no inicio de jogo, a ponto de repartir o mérito da vitória que seria de Diego Costa, com Courtois. Voltando ao Emirates, os Gunners de sempre? Bloqueados mentalmente?

Edu: Não sem motivo, depois da expulsão de Szczesny, justamente no lance do pênalti que Alaba desperdiçou ainda no primeiro tempo. Com um jogador a mais daí por diante, o Bayern fez uma partida de rotina para chegar aos 2 a 0, não sem uma punição de Pep a Boateng, rifado para a entrada de Rafinha. Chamou a atenção Thiago Alcântara, ausente, tímido. Deu branco no novo cérebro da Baviera.

Carles: E também castigado com a decisão do padrinho em substituí-lo. Tenho a impressão que quando a partida não se joga no ritmo em que Thiago se sente cômodo, ele simplesmente prefere se ausentar. No gol de Müller, por exemplo, eu destacaria o movimento sensacional de Pizarro levando os marcadores com ele. Gosto do futebol do Thiago mas ele tem que aprender que a qualidade individual não é tudo nesse esporte, que é um jogo coletivo, de associação. Bom, além de que obviamente Pep, jogando contra 10, foi inteligente, escolheu ficar  com Dante e Javi Martinez, este fazendo uma dupla função para fechar a zaga e adiantar Lahm que acabou dando a assistência do segundo gol.

Edu: Parece que tem ainda uma fase de aprendizado para ele com adversários padrão Champions, muito diferente de enfrentar o Augsburg na Allianz Arena, pela emocionante Bundesliga. Em Milão, o Atlético mostrou autoridade contra um adversário que parece uma caricatura, uma piada. O Milão é hoje um timinho, convenhamos, um tremendo rabo de foguete para Seedorf e Kaká. Não digo nada se não saírem do Calderón, no jogo de volta, com uma humilhante goleada para acabar com essa temporada ridícula.

Carles: Dizem que no Calderón, El Shaarawy, bem mais incômodo para os madrileños pela sua movimentação, jogará de titular. O abacaxi, na verdade, é para Seedorf. É possível que o caráter individualista de Ricardo Izecson até consiga tirar certo proveito da situação, pelo menos a curto prazo. Ele gosta do protagonismo. Provavelmente as manchetes serão do gênero “Disastro rossonero tranne Kaká” e assistindo ao compacto do jogo, o brasileiro aparece como um dos melhores em campo, quem sabe, se a dupla Scolari-Parreira for habitual do YouTube…

Edu: Seedorf disse para alguém nesta semana que Felipão lhe garantiu pessoalmente que Kaká estará no time da Copa. Continuo duvidando. A menos que seja como um estimulante para a garotada, uma tentativa de se dividir a liderança de vestiário com Fred, não sei. Não se pode descartar nem mesmo uma homenagem.

Carles: Vai estar, também estou convencido. Só se a intenção do Seedorf for justamente – ele mesmo – tirar máximo partido do estimulante recadinho, mas não acredito que seja apenas isso. Do outro lado, Diego Costa experimentou a sensação de jogar a sua sorte contra os italianos, como vai ter que voltar a fazer no Calderón, no próximo dia 5. Boa semana para os ânimos do marquês Del Bosque, com alguns dos seus jogadores retornando das cinzas, quem sabe não está tudo perdido e ainda vamos assistir a essa final no Maracanã…

Edu: Diego Costa hoje foi bem melhor que Negredo ontem, ganhou pontos, mas talvez a grande surpresa do Marquês para o ataque entre em campo na semana que vem, vestido de branco, contra o Schalke. Já sei que, para você, Jesé tem lugar seguro na Roja, ou deveria ter.

Carles: Falei dele faz tempo, e está tudo aqui mesmo neste espaço é só conferir, ainda que me pese reconhecer qualquer mérito da ‘casa blanca’. Merece pelo menos ir convocado para o amistoso contra a Azzurra e acho que poderia ser muito interessante no grupo que vai à Copa. De repente, na Roja a concorrência ficou acirrada lá na frente.

Edu: Que venham todos, quanto mais melhor.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.