As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O ‘movido’ verão espanhol

Carles Martí (Espanha) e José Eduardo Carvalho (Brasil)

13 de junho de 2013 | 12h08

Edu: Muita gente saindo dos principais clubes, outros chegando, Madrid sem técnico, os jogadores dos times médios deixando o país e até uma denúncia do Fisco contra o Messi. Vocês terão um verão ‘movido’…

Carles: Essa é a ideia do “grande comitê superior do homem branco”, falem bem ou mal, mas falem de mim. A porta de saída tem funcionado freneticamente não só para a gente do futebol, mas para todo tipo de profissionais, e de todos os níveis. Sem ir mais longe, uma leva de jovens arquitetos já foi para o Brasil de forma não programada e agora tem a história dos médicos. Seguro que ‘no nos aburriremos’.

Edu: São novas consequências da crise, você diria? Primeiro os arquitetos, os médicos, e agora os jogadores de futebol? Em outros tempos, um dos grandes contrataria tranquilamente um jogador como o Jesus Navas, típico classe média do futebol. Mas o City foi mais rápido e levou fácil. Assim como Joaquim, indo para a Fiorentina. Continua sendo uma sequela da indecência das hipotecas e do descontrole político?

Carles: O Madrid manifestou seu interesse por Navas até o fim, mas ele preferiu sair do país. Navas é um caso a parte, de clara evolução pessoal, e amadurecimento gradativo. Quando jovem passou por algum episódio de ansiedade, abriu mão de uma ou outra convocação para a seleção. Um dia a gente conversa sobre ele com maior profundidade. Não acho que sejam novas, seguem chegando as consequências, desencadeando outras, alastrando-se por diversos setores. Eram esperadas inclusive. Também não estou de acordo com que haja um descontrole político, há um controle claro e patente. O Partido Popular tem maioria e dentro do próprio partido, o grupo mais conservador, muito ligado à igreja, ao opus dei, ganhou o braço de ferro com outros setores. Se existe um aparente descontrole político é pela disputa de poder, pela crise da esquerda, pela briga interna no PP, entre conservadores e neoliberais, como disse. O descontrole é econômico e isso repercute no futebol, obviamente.  Ah, e tem mais crise institucional, da monarquia, importante elemento dramático nesta trama toda.

Edu: Huuuumm, mexi num vespeiro, um dos seus temas preferidos. Quem segura um autêntico espanhol nessas circunstâncias? É claro que o precipício produtivo/financeiro tem tudo a ver com o futebol por aí, também porque é um traço dos costumes espanhóis: tudo no mesmo balaio, nada acontece desconectado das outras realidades. Não é normal dois clubes ganharem quase 60% de tudo o que o futebol movimenta. Tem retrato de desigualdade mais gritante que esse no mundo do esporte?

Carles: Foi-se o tempo em que a sociedade espanhola mostrava uma certa igualdade. Só nos tempos de penúria. Com os novos ricos, chegou a desigualdade. Mas isso não é novidade nenhuma, nem privilégio daqui. Nem precisa ser gênio para entender, quando a verba pelos direitos de transmissão televisiva eram distribuídos de forma igualitária (não equitativa, para tentar amenizar os efeitos das diferenças, mas em quinhões iguais) a disputa esportiva era mais diversificada, campeões de liga distintos, as diferenças não eram tão evidentes. Chegou o ‘aznarismo’ e, com ele, a lei do mais forte, cada vez mais forte. Continuo sem contar nenhuma novidade. O problema e também a demonstração de falta de inteligência, é que a médio e longo prazo um sistema assim acaba quebrando e com ele todos seus componentes, inclusive os mais fortes que também dependem dele para sobreviver. Uma hora ou outra a água bate no traseiro deles também, se já não bateu. Agora, nem justiça social, nem a alegria de tempos de pompas e circunstâncias do ‘aznarismo’ (arreda!!!). Só a triste realidade dos carolas.

Edu: Temo que vocês nunca saberão, porque essas coisas do meio privado chegam atravessadas para a sociedade em qualquer circunstância. Ainda mais se estivermos falando de futebol, que é uma caixa preta. E isso vale tanto para Florentinos quanto para Rosells. De qualquer jeito, parece, algumas instituições ainda funcionam e estão de olho nas grandes movimentações, do contrário não pegariam de vez em quando algum incauto. Agora foi Messi, mas em outros tempos foram Nadal, Figo e até o falecido golfista Seve Ballesteros, que teve que fixar residência em Mônaco. Ou você acha que é só uma embalagem para dar sensação de que a justiça está atenta?

Carles: Não mesmo. Existe uma urgência em se demarcar do tsunami da corrupção que assola o país. Muitos fazem isso de forma ostensiva, como por exemplo, o presidente da Generalitat Valenciana (órgão de governo do estado autonômico regional), que tem realizado ações sistemáticas de caça à corrupção inclusive ou principalmente dentro do próprio partido. Honestidade?  Não creio que a virgem de Fátima tenha aparecido para nenhum deles e tenha provocado sua repentina transformação. Lorota? Tampouco. Os alarmes soaram e a vigilância da sociedade se multiplicou (não havia outra opção). Portanto, é uma questão de sobrevivência política.

Edu: Então, para resumir esta pensata sobre a conjuntura espanhola, te pergunto objetivamente: com mão de obra qualificado deixando o país, clubes pequenos minguando, os grandes fazendo negócios estranhos e megalômanos e, por isso, mantendo uma aparência de competição de elite e atraente, o que será do futebol campeão do mundo a curto prazo?

Carles: A seleção nacional sempre foi um poderoso trunfo na mão de sistemas corrompidos, por isso não acho que haja uma ameaça imediata. Pese as evidentes diferenças, remito-me ao Brasil de 1970, tricampeão e dono de um futebol espetacular. É só repassar mentalmente o que aconteceu com a estrutura esportiva do país, depois disso. Os torneios viraram moeda de câmbio para favores e conchavos políticos e as seleções brasileiras ficaram muito tempo na fila. A Espanha vive uma das suas piores crises financeiras, morais e políticas. Nesse contexto, toda a infraestrutura que foi erguida a partir dos anos 80 começa a sofrer da falta de recursos para atualização e manutenção. Entretanto, ainda dispomos de  instalações poliesportivas dignas de primeiro mundo, em cada bairro. Essas instalações, inclusive, foram responsáveis por grande parte os triunfos do esporte espanhol, pela formação das atuais gerações ganhadoras. Se vamos recuperar a normalidade política e econômica antes que tudo isso fique obsoleto eu não sei e não conheço ninguém que saiba.

Edu: Só não concordo com a analogia com a situação brasileira durante a ditadura, foram dois tipos distintos de tragédias. Mesmo porque nunca tivemos ótimas instalações esportivas mesmo antes da ditadura. Mas voltaremos a esse tema ‘caliente’…

Carles: Sem dúvida, muito distintos. A intenção da comparação era mesmo escandalizar, antes que seja tarde.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.