As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Caboclo garante que Tite fica na seleção mesmo se fracassar na Copa América

Futuro presidente da CBF tem como uma das missões mudar a mentalidade do futebol brasileiro. Conseguirá?

Almir Leite

10 de janeiro de 2019 | 17h01

Tite não esconde de ninguém temer perder o cargo de treinador da seleção brasileira em caso de mau resultado na Copa América. Ele sabe como bem como as coisas costumam funcionar na CBF diante de um insucesso.  Já escapou da degola por ocasião da queda nas quartas da Copa da Rússia e reconhece que um novo tropeço, ainda mais em casa, pode significar o fim de seu ciclo. A não ser que a mentalidade dos dirigentes que comandam o futebol brasileiro mude.

É justamente essa mudança de mentalidade que pode conservar o pescoço de Tite mesmo se o título da Copa América não vier. Rogério Caboclo, que em abril assume de direito a presidência da entidade, embora já seja o presidente de fato (algo que ele sempre nega ferrenhamente, para não criar um clima de constrangimento para o coronel), garantiu nesta quinta-feira a permanência do treinador, aconteça o que acontecer no torneio sul-americano que o País sediará na metade do ano.

De Caboclo, ligado ao futebol desde criança (seu pai foi dirigente do São Paulo),  espera-se realmente mudanças na gestão da CBF -e por extensão do futebol brasileiro. Transparência, modernidade, diálogo… E que deixe no passado métodos de vários ex-comandantes da CBF, entre eles seu mentor em nível nacional, Marco Polo Del Nero.

Do ponto de vista esportivo, dar ao treinador da seleção garantias de que seu trabalho seguirá até o último dia dos quatro anos de contrato é bastante saudável. Mas, como se diz na Fórmula 1, contratos são feitos para serem rompidos. Além disso, futebol é futebol. Ainda mais no Brasil onde o resultado quase sempre está acima de qualquer outro critério. E muitas vezes a vontade e a boa intenção sucumbem aos fatos.

Por isso, resta torcer para que Caboclo, que está na presidência da CBF de maneira efetiva quando a Copa América se desenrolar, resista às pressões que certamente virão em caso de insucesso e mantenha a palavra.