As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

CBF prepara diagnóstico da base do futebol brasileiro

Almir Leite

16 de setembro de 2015 | 14h22

A CBF passa por período de turbulência administrativa, com o presidente Marco Polo del Nero na mira do FBI e alvo da CPI do Futebol, mas paralelamente tenta tocar a vida, criando o que nos corredores da entidade é tratado como “agenda positiva”. São iniciativa que, de acordo com os dirigentes, visam a modernizar o futebol brasileiro, tanto administrativa como esportivamente.

Até agora, tem muito papo e pouca ação. Já foram realizados encontros com treinadores, craques do passado, há planos de ouvir técnicos estrangeiros… Mas nada de concreto pôde de fato ser percebido, embora a CBF garanta estar preparando para os próximos meses o anúncio de várias medidas que terão o objetivo de fazer o futebol brasileiro avançar.

O jeito é esperar, analisar e, depois, cobrar.

No entanto, uma iniciativa da entidade, se conduzida com empenho e seriedade, pode dar realmente bons resultados. Está sendo feito um profundo diagnóstico das categorias de base no Brasil. a CBF pediu aos clubes, por meio das federações, que informem qual a estrutura que dispõem para a formação de jogadores.

“A gente vai ter um quadro completo de qual clube tem uma estrutura consistente de formação de base”, disse ao blog o secretário-geral da CBF, Walter Feldman.

De acordo com ele, estrutura completa é um vínculo educacional, a questão de infraestrutura, do acompanhamento médico, dos alojamentos, dos campos, da metodologia, entre outros aspectos.

A CBF espera receber os relatórios em um mês.  Então, a plano é traçar um diagnóstico das categorias de base e a promessa é também atuar, e ajudar, na formação.

Se a CBF realmente vier a fazer isso de uma maneira simples, objetiva e visando, além da formação do atleta, a formação do jovem como cidadão – como acontece em países como a Alemanha (olha eles aí de novo!) e Holanda – estará prestando de fato um grande serviço ao futebol brasileiro.

Mas…

O jeito é esperar, analisar e, depois, cobrar.