As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Escândalo envolvendo Rosell respinga em Neymar

Almir Leite

24 de janeiro de 2014 | 10h52

Neymar, com quase toda certeza, não tem nada a ver com o suposto desvio de dinheiro na negociação envolvendo sua contratação pelo Barcelona.

Quem negociou foi seu estafe – e é bom ressaltar que, por enquanto, a denúncia recai apenas contra o ex-presidente do Barcelona e seus então parceiros de diretoria.

Mas toda essa confusão, muito provavelmente, vai respingar em Neymar.

Ele vai ficar sob grande pressão, a maior de sua jovem vida, e precisará de muita força psicológica, muita personalidade, para superá-la.

Explico. Com base no que ouvi de jornalistas catalães.

Neymar, como todos sabem, é visto no Barcelona como o jogador de Sandro Rosell, o queridinho do então presidente.

Agora, será ligado por boa parte da torcida, e da mídia, como o responsável pela quebra da paz no clube.

Paz que, diga-se, faz tempo foi embora, por conta de brigas políticas internas e da eterna disputa com o Real Madrid.

Mas Neymar vai ser visto assim.

Outro problema: pelos números divulgados, ainda não comprovados, Neymar tem salário maior que Iniesta – o autor do gol que deu à Espanha seu primeiro título mundial -, que o campeão do mundo Xavi, que Busquets, Piqué….

E maior que o de Messi!!!

Há quem diga que já tem jogador do Barcelona com ciúme, dizendo que o garoto chegou agora e já “sentou na janelinha”.

Outros  dizem que tem gente se sentindo traída, pois não sabia que o salário de Neymar era tão alto.

Neymar, repito, até prova em contrário não tem nada a ver com isso.

Mas pode pagar pelo que não fez.

Como? Sendo isolado pelos companheiros, fora de campo e dentro dele se vendo forçado a se tornar protagonista, a “carregar o time nas costas”.

E sendo cobrado mais fortemente pela torcida – até por ser o jogador de 95 milhões de euros.

Isso é ruim, num ano em que Neymar tem a missão principal de liderar a seleção brasileira rumo ao hexa.

Pode prejudicá-lo.

Ou não.

Até agora, Neymar sempre cresceu e venceu desafios quando esteve sob pressão.

É só lembrarmos do que fez na Copa das Confederações, à qual chegou sob desconfiança.

Mas que é a imensa chance de ele passar por dias turbulentos em Barcelona, isso é.

Ainda que possa não ser justo.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: