Mbappé é dono do seu nariz, e pode fazer o que quiser com ele
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mbappé é dono do seu nariz, e pode fazer o que quiser com ele

Atacante francês renovou com o PSG porque achou que ficar será melhor para ele e deve ser elogiado e não criticado por poder fazer o que quer da vida

Almir Leite

21 de maio de 2022 | 16h52

Mbappé fez o que poucos fariam, e muitos queriam e torciam para que não fizesse. Deu as costas ao Real Madrid para renovar contrato com o Paris Saint-Germain. Tomou a decisão que achou melhor para ele. Como consequência se tornou um vilão imediato em boa parte do mundo.

Bastou a renovação ser anunciada para o atacante começar a ser chamado de burro e/ou covarde (por aqueles que acham que ao Real não se diz não) ou mercenário (pelos que entendem que a dinheirama que ganhará para ficar em Paris falou mais alto do que a dinheirama um pouquinho menor que ganharia se fosse para a Espanha).

Particularmente, sempre achei que Mbappé iria ficar no PSG. Depois de ter forçado a barra para sair em direção ao Real tempos atrás, e não conseguir, seu comportamento passou a ser de quem dava indícios de que permaneceria. Ficou na dele fora de campo e, dentro, consolidou-se como o grande jogador da equipe, o principal, o que faz a diferença. Mesmo o time francês tendo Neymar e indo buscar Messi.

Mbappé decidiu ficar no PSG; o dinheiro contou, mas no clube francês ele é rei

Claro que Mbappé jamais deixou de negociar com o sedutor Real. Claro, também, que o PSG jamais deixou de lutar para que ficasse. Afinal, é uma questão de ultrapassa os muros do clube. Sua permanência passou a ser questão de honra para a França e também para os árabes donos do clube, ainda mais em um ano em que a Copa será realizada no Catar, a casa deles.

A pressão para Mbappé renovar foi tão grande quanto a pressão do Real, e da imprensa espanhola, para levá-lo à Espanha.

No fim, porém, dono de seu destino, do seu nariz, ele fez o que achou ser melhor para ele.  Ponto para Mbappé, até porque, pelo que se sabe, ele passará a mandar prender e a mandar soltar no PSG. Afinal, é o dono do time dentro e fora do campo.

Por isso, a mim soa ridículo o comportamento da sempre parcial imprensa espanhola, que passou os últimos anos cravando/forçando a ida de Mbappé ao Real e quebrou a cara.

Estão revoltadinhos porque ele não trocou Paris por Madri (eu também não trocaria, apesar de tudo de bom que é a capital espanhola)?

Ou porque decidiu se manter onde é rei em vez de ir para um lugar onde teria de conquistar a coroa?

Ou seria porque ele optou pelo maior salário, algo que a esmagadora maioria dos trabalhadores mundo afora faz?

Ridículo também é o comportamento da cartolagem da LaLiga. Vai reclamar com a Uefa porque o PSG deu um beiço no Real? Claro que os indícios são de que os donos do time francês tratam o fair play financeiro como peça de ficção, não dão a mínima para isso.  Mas a chiadeira, sem argumentos convincentes, tem jeito que jogar para a torcida.

Além disso, Mbappé ou convencido e não aliciado. E se o Real não teve cacife para bancar, que coloque a viola no saco e espera até 2025, quando se encerrará o acordo do atacante com o PSG. Até porque, quando isso acontecer, ele terá apenas 26 anos e muita carreira ainda pela frente.

Tudo o que sabemos sobre:

Copa do MundoMessiNeymarPSGReal Madrid