As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras e Corinthians, a decisão bastante provável do Campeonato Paulista

Maiores rivais do Estado, eles são favoritos diante de Ponte Preta e Mirassol, o que não significa que estejam jogando um grande futebol

Almir Leite

31 de julho de 2020 | 13h05

Tudo leva a crer que Palmeiras e Corinthians vão decidir mais uma vez o Campeonato Paulista. Para a competição, afetada pelas atribulações que todos conhecemos, o dérbi entre os maiores rivais do Estado será a melhor final possível. E não dá para  negar que Alvinegro e Alviverde são grandes favoritos contra um time improvisado, o Mirassol, e outro que há menos de uma semana estava lutando para não ser rebaixado, a Ponte Preta.  No entanto, os papões ainda estão longe de colocar medo em alguém.

O Palmeiras, por exemplo, está jogando pedrinha desde a volta do futebol. O time não tem velocidade, é confuso taticamente, tem se atrapalhado todo quando encontra uma retranca pela frente e ganhou tanto do rebaixado Água Santa como do remendado Santo André mais na sorte do que na bola. Espera-se que evolua e mostre alguma coisa diante da Ponte.

Do contrário, corre sério risco de ficar pelo caminho. O time de Campinas também não é lá essas coisas. Mas tem fatores a seu favor: venceu os três jogos pós-retomada, o que aumenta a confiança, e, com o modo de jogar precavido proposto pelo técnico João Brigatti, pode enrolar, enervar e desconcentrar o adversário para depois dar o bote.

O Corinthians, por outro lado, chega “grandão”  à semifinal. Dos quatro, é o que está melhor. Algo que parecia impossível há dez dias, quando a eliminação parecia mais  certa do que a classificação.

Mas Tiago Nunes, que muitos apostavam que seria degolado se perdesse o clássico para o Palmeiras, conseguiu acertar o time. Sem ser brilhante, e até mudando seu estilo (talvez temporariamente), armou um Corinthians forte  na defesa, e, embora não seja muito eficiente ao armar jogadas e atacar – até porque a precaução está vindo antes da ousadia -, tem sabido aproveitar as poucas oportunidades que cria, sobretudo nas “bolas paradas”.

Não é muito, mas é suficiente para superar o Mirassol que, sem negar-lhe os méritos por ter eliminado o São Paulo, terá dificuldade de repetir a performance de quarta-feira. Mesmo porque o Corinthians não deve falhar tanto na defesa como o Tricolor falhou.

Na teoria, e antes de a bola rolar, tudo caminha para uma final entre Palmeiras e Corinthians. Isso não quer dizer, porém, que os rivais estejam apresentando um futebol digno da grandeza de ambos.

Tendências: