As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Paquetá vai ser uma das poucas novidades na lista de Tite

Treinador deve fazer alguns testes no amistosos contra Panamá e República Checa, mas quer mesmo é definir o grupo para a Copa América

Almir Leite

27 de fevereiro de 2019 | 16h51

Lucas Paquetá está garantido na convocação que o técnico Tite fará nesta quinta-feira para os jogos da seleção brasileira contra Panamá e Republica Checa, a primeira do ano e a última antes da definição do grupo para a Copa América. Sua inclusão no grupo foi antecipada por Cléber Xavier, o auxiliar mais próximo do treinador. O hoje meia-atacante do Milan, porém, deverá ser uma das poucas novidades para estes amistosos de março.

As partidas contra panamenhos e checos fazem parte do que a comissão técnica definiu como “fase dois” do trabalho a ser desenvolvido até a Copa do Catar, ainda no distante ano de 2022. Essa fase teve início, de acordo com o cronograma tornado público pelo coordenador de seleções, Edu Gaspar,  em dezembro e se encerra na Copa América que será realizada no meio deste ano.  Nesse período, o foco maior é a competição que o País vai sediar.

Ou seja, o período maior de observações já passou. Foi aquele pós-Copa, os seis amistosos disputados no segundo semestre do ano passado. Agora, é hora de tirar dúvidas e confirmar quem realmente está pronto para disputar a Copa América.

Isso não quer dizer que Tite abrirá totalmente mão de novas observações. Uma delas deve ocorrer no ataque. Com Neymar fora de combate por contusão, surge a oportunidade de experimentar alguém para o ataque (não necessariamente com o mesmo posicionamento em campo). Vinicius Junior, por exemplo, um jogador cujo crescimento no Real Madrid nos últimos meses chamou bastante a atenção da comissão técnica. Ou David Neres, destaque do Ajax. Everton, do Grêmio, chamado no ano passado, também é cotado.

Mas um veterano que Tite queria levar para os jogos no Porto e em Praga não deverá estar na lista. Fernandinho, que foi convencido a voltar à seleção em que pese a tonelada de críticas que ainda recebe, sofreu uma contusão muscular jogando pelo City e só deverá ter condições de atuar nas últimas semanas de março. Em tese, poderá servir à seleção. No entanto, não estará no melhor de sua forma física e sem ritmo de jogo. E, para um jogador contestado,  voltar nessas circunstâncias pode não ser um bom negócio.