As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Paulistão volta com bolha na arbitragem e risco de furo na dos jogadores

Árbitros que trabalharão nos jogos ficarão confinados em hotéis; jogadores receberão instruções mais rígidas, para tentar conter atos irresponsáveis e burros como o de Luiz Adriano

Almir Leite

09 de abril de 2021 | 09h46

O Paulistão está voltando.

O mais provável é que os jogos em território do Estado sejam liberados a partir de segunda-feira, 12 de abril.

Mas não será surpresa se for dada autorização para algumas partidas serem autorizadas já neste fim de semana.

Após longa queda de braço, finalmente Federação Paulista de Futebol e Ministério Público Estadual se entenderam.

Estádios de São Paulo vão reabrir após quase um mês, e o futebol voltará à vida na fase mais crítica da pandemia

As medidas de reforço no protocolo de segurança contra a covid foram consideradas satisfatórias, após a FPF ceder em alguns pontos, como a realização de testes em jogadores e envolvidos com o jogo no dia de sua disputa.

O MP encaminhou na quinta-feira à noite o protocolo ao Centro de Contingenciamento da Covid, com a recomendação de que seja aceito.

Na manhã desta sexta, o governador João Doria confirmou a volta em entrevista à  Rádio CBN e dará detalhes durante o dia.

A federação trabalha na adequação da tabela, para compensar o quase um mês parado e tentar manter o fim da competição para 23 de maio.

Todos os envolvidos com os jogos, clube, jogadores, membros da comissão técnica, pessoal de apoio e outros já receberam as novas instruções.

O pessoal da arbitragem, por exemplo, recebeu uma espécie de cartilha com vários itens.

Uma bolha será criada. As equipes que trabalharão no campo ficarão concentradas em hotel por 10 ou 15 dias. Todos farão o teste de covid.

O pessoal do VAR não ficará concentrado, mas realizará o teste antes da partida em que  for atuar.

Na “concentração”, todos ficarão em quartos individuais até receber o resultado do exame. No hotel, terão de estar sempre de máscara nas áreas comuns, mas vão  se alimentar de maneira individual.

E, para ir os jogos, cada um terá de se deslocar na ida e volta ao estádio no próprio carro.

O Campeonato Paulista está paralisado desde 15 de março, realizou duas partidas em Volta Redonda (RJ) neste período, e voltaria mesmo a partir de 12 de abril caso a fase emergencial do plano São Paulo de combate à pandemia fosse encerrado.

Porém, tudo indica que a fase de restrições será prorrogada mais uma vez, pois os números da pandemia em São Paulo continuam altíssimos.

Dessa maneira, o futebol acabará se livrando, tornando-se mais uma exceção  – outras serão anunciadas por Doria – na bolha futebol furada que em nada contribui para que o quadro grave da pandemia arrefeça.

Considerando-se que o futebol também não é uma bolha, pois os jogadores e demais funcionários de clubes convivem com familiares – os mais humildes vivem ensardinhados no transporte público, entre outros sacrifícios que a falta de estrutura social os obriga a fazer….

E que muitos jogadores de futebol são metidos a donos do mundo, burros ou irresponsáveis, ou tudo isso junto, e Luiz Adriano está aí para comprovar, a questão permanece: é mesmo hora de liberar o futebol?