PSG mereceu a classificação, e Neymar fez por merecer elogios
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

PSG mereceu a classificação, e Neymar fez por merecer elogios

Time francês desbanca o favorito Bayern por ter tido uma estratégia bem-sucedida nos dois jogos; brasileiro sempre se destaca quando faz "apenas" o que dele se espera

Almir Leite

13 de abril de 2021 | 18h51

O Bayern de Munique entrou na série com o PSG como favorito. Ao final dela, o time francês sai classificado à semifinal da Liga dos Campeões com merecimento.

Ao final das duas partidas, teve melhor estratégia, ou pelo menos a estratégia mais bem-sucedida, pois conseguiu se fechar, fazer transições ofensivas rápidas e contra-atacar com eficiência.

Os alemães sentiram falta de Lewandowski, Gnabry, Goretska.

Mas não contar com todos os jogadores  durante toda a temporada faz parte do futebol.

Os franceses também sentiram a falta de Marquinhos no segundo jodo – ou não, porque o improvisado Danilo jogou muito.

Neymar teve excelente atuação; quando se controla e joga bola, ele sempre é decisivo

 

Neste segundo jogo, apesar da derrota por 1 a 0, um detalhe chamou a atenção.

Nenhum jogador do Paris Saint-Germain jogou mal. Podem não ter tido atuação destacada como a de Neymar e Di Mária.

Mas todos foram importantes, individual e coletivamente.

E  Neymar foi o Neymar que todos esperam que seja dentro de campo.

Foi brilhante tecnicamente? Não. Desequilibrou? Também não.

Mas foi eficiente. Cumpriu com maestria a função de comandar a transição ofensiva do time.

Criou jogadas em eficiência. Ajudou a “desafogar” o time em várias ocasiões.

Ocasiões essas que, graças à sua habilidade e visão de jogo, no segundo seguinte ao sufoco passado o PSG já estava lá na frente, deixando os alemães de cabelo em pé.

Pena que a trave, em três ocasiões, e Neuer, em outras duas, não lhe deixaram fazer ao menos um golzinho.

Esse Neymar, que se preocupa acima de tudo em fazer o que sabe como poucos, vai longe – e pode levar o PSG longe também.

O outro, o menino mimado que não aceita ser contrariado, nunca completará o caminho.

Resta saber qual dos dois irá prevalecer.

 

50% de erro

Em post anterior, opinei de maneira curta e grossa que uma das semifinais da Liga dos Campeões seria a decisão antecipada (https://esportes.estadao.com.br/blogs/almir-leite/na-liga-dos-campeoes-uma-das-semifinais-sera-a-verdadeira-decisao).

Palpitava que o Bayern eliminaria o PSG e pegaria o Manchester City, que iria despachar o Borussia Dortmund.

50% do palpite já foram por água abaixo.

E os outros 50 estão  na ponta da cachoeira porque, depois da magra vitória por 2 a 1 na Inglaterra, o City vai ter de jogar muito na Alemanha para eliminar o time de Haaland.

Aguardemos.