São Paulo e Santos, com seus técnicos argentinos, têm chances diferentes na Libertadores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo e Santos, com seus técnicos argentinos, têm chances diferentes na Libertadores

Paulistas têm boa possibilidade de estrear com vitória na fase de grupo, mas a seguir os caminhos são bem distintos

Almir Leite

20 de abril de 2021 | 11h21

A Copa Libertadores começa para valer nesta terça-feira, com a fase de grupos, e dois clubes paulistas, os primeiros brasileiros a irem a campo ao lado do Flamengo, têm boa chance de vitória nessa rodada inicial, mas a seguir caminhos diversos pela frente.

O São Paulo que está em Lima para enfrentar o Sporting Cristal é favoritísssimo esta noite e também a terminar o grupo na Libertadores.

Além de se forte candidato a melhor time da fase.

Por méritos próprios e pelas deficiências dos adversários do Grupo E, que também tem o argentino Racing e o uruguaio Rentistas.

Crespo implantou rapidamente seus conceitos e os resultados do São Paulo têm sido muito favoráveis

O maior cacife do São Paulo é o trabalho de Hernán Crespo, que tem dados bons resultados mais rapidamente do que muita gente, este blogueiro incluído, esperava.

Crespo não teve dificuldade de adaptação ao futebol brasileiro, resolveu de maneira simples a maratona de jogos, alternando jogadores, e sua proposta de jogo foi facilmente assimilada pelos atletas.

Seu esquema com três zagueiros que libera os laterais/alas o tempo todo, a construção do jogo a partir da valorização da bola e as ações ofensivas preferencialmente verticais têm dado bons frutos, nos resultados e na performance que leva a eles.

O Sporting Cristal, mesmo em casa, pode ser superado com relativa tranquilidade. É o melhor time peruano no momento, lidera o seu grupo do campeonato local com a melhor campanha no geral – quatro vitórias em quatro jogos – e está invicto há 20 jogos.

Mas tem um futebol limitado, que, posto à prova diante de um adversário mais forte, pode sucumbir até sem grande resistência.

O Santos deverá ter mais dificuldade no Grupo C, também composto por Boca Juniors e The Strongest.

Ariel Holan ainda busca colocar seus conceitos. A objetividade, a proposta ofensiva e a velocidade estão sendo exploradas com eficiência. Precisa melhorar o esquema defensivo, neutralizar melhor os contra-ataques, mas isso leva algum tempo.

Por isso, os resultados ainda são irregulares. Natural, mesmo porque a equipe é cheia de jovens jogadores.

Ariel Holan já conseguiu fzer do Santos time ofensivo, mas precisa melhorar a defesa

Enfrentar o Barcelona é boa oportunidade  para o Santos começar com vitória. O time equatoriano é irregular, venceu apenas um dos seus últimos cinco jogos no campeonato local, em que está em segundo lugar.  E tem time envelhecido.

Por fim, esta noite o Flamengo precisa mostrar na estreia contra o Velez Sarsfield no Grupo G (tem ainda a LDU e o chileno Unión La Calera) que as coisas estão nos eixos.

O time tem se mostrado irregular, com falhas defensivas constantes e grande dependência do talento individual de seus jogadores para construir resultados positivos – ou evitar os negativos.

O Velez é uma incógnita, pela irregularidade. Um dia joga muito, no outro nada – como os 7 a 1 que tomou do Boca um mês atrás dentro de sua casa.

Ainda assim tem melhor campanha do Campeonato Argentino – lidera seu grupo.

Resta saber qual o Velez estará em campo contra o Flamengo.