Seleção agrada pelo ótimo futebol, mas sobretudo pelo “espírito”
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seleção agrada pelo ótimo futebol, mas sobretudo pelo “espírito”

Grande desempenho contra o Uruguai também foi consequência do comportamento, da vontade e do prazer de jogar

Almir Leite

15 de outubro de 2021 | 11h31

Dizer que a seleção brasileira jogou um bom futebol contra o Uruguai, um futebol que faz muito tempo não se via, é chover no molhado.

A bola apresentada em Manaus foi de alto nível, merece aplausos e, sobretudo, reconhecimento depois de tanta paulada no lombo que jogadores e comissão técnica levaram nos últimos jogos, e nos últimos meses.

O melhor de tudo, o aspecto que não pode ser deixado de lado, entretanto, foi o comportamento.

Seleção brasileira fez um grande jogo em Manaus e desta vez mereceu aplausos

A vontade com que o time jogou, a gana de dar uma resposta aos críticos -e até para eles mesmos, que no íntimo sabiam que não estavam fazendo o que podiam – e o prazer como o time jogou são aspectos relevantes.

Claro que a personalidade e o ótimo futebol do recém-descoberto Raphinha, as pazes de Neymar  com seu bom jogo, a dedicação tática de Paquetá, o bom desempenho de um Fred jogando mais adiantado, a solidez defensiva, e por aí vai, merecem ser destacados.

O mais importante, porém, foi que a seleção brasileira mostrou o espírito que se espera de uma seleção brasileira.

Nem sempre o futebol será tão brilhante, nem sempre o gol vai sair tão cedo para dar tranquilidade, nem sempre o adversário, seja qual for, vai se mostrar tão frágil defensivamente.

Nem sempre vai ser fácil, e haverá novos momentos em que Tite vai ser infeliz nas escolhas técnicas e táticas, que Neymar não vai estar bem…

Faz parte. É compreensível.

O que torcida e crítica não admitem é um futebol chato, sem imaginação e criatividade, preguiçoso, de má vontade mesmo, com desculpas esfarrapadas – em Manaus estava tão quente como em Barranquilla -, como vínhamos assistindo.

Nos últimos tempos, tornou-se comum jogadores reclamando do tratamento que recebem quando estão na seleção, “defendendo a pátria”.

Contra o Uruguai, eles mesmos mostraram como acabar com isso.  É só não esquecerem a “fórmula”.