As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tite acerta em cheio ao resgatar Thiago Silva como capitão

No entanto, jogador precisa ter consciência de que esta deve ser sua última chance na seleção. Como zagueiro e também como líder

Almir Leite

08 de junho de 2017 | 16h05

Thiago Silva é contestado por boa parte da torcida brasileira não pelo que joga, mas por ser considerado emocionalmente frágil. “Diagnóstico” dado a partir do choro na partida com o Chile na Copa do Mundo de 2014, época em todos os jogadores brasileiros foram colocados sob absurda pressão, e pela reclamação por ter perdido a faixa de capitão quando Dunga assumiu o  comando.

Tecnicamente, não há grandes reparos a Thiago Silva, considerado com amplo merecimento um dos melhores zagueiros do mundo.

No entanto, não se pode ignorar que ele cometeu alguns vacilos na seleção. Como o cartão amarelo bobo que tomou contra a Colômbia na Copa e que o deixou fora da humilhação que a Alemanha impôs ao Brasil e o pênalti inexplicável que fez  contra o Paraguai na Copa América do Chile, na partida em que a seleção acabaria eliminada nos pênaltis.

Mas, e é sempre bom repetir, tecnicamente não há grandes reparos ao “Monstro”. Assim, não se justificava o castigo que Dunga lhe impôs, deixando claro que o culpava pela eliminação naquela Copa América – como se ele tivesse sido o único a ter culpa.

Mesmo porque, se for para culpar todo jogador que erra não teremos mais futebol.

Tite, ainda bem, pensa de maneira diferente. Tanto que foi aos poucos recolocando Thiago Silva na seleção. Primeiro, perguntou-lhe se aceitaria uma convocação e recebeu um “é tudo o que eu mais quero” como resposta. Depois, chamou-o algumas vezes e o deixou na reserva. Justo, pois Marquinhos  e Miranda souberam preencher o espaço.  E agora dá a ele a chance de não só de ter titular numa partida de grande responsabilidade, como de voltar a ser capitão.

É fato que, com Tite, o posto de capitão não é fixo. Ele prefere ter vários capitães, ou seja, vários líderes. Mas, ao dar a tarja a Thiago Silva, o treinador mostra respeito pelo jogador e por sua história.

Tite está certo. Até porque, para ele, o importante é que o jogador responda dentro de campo.

É isso o que Thiago Silva tem de fazer contra a Argentina. Jogar bem, ajudar os companheiros, demonstrar maturidade, impor-se como líder e sobretudo tecnicamente contra um time que tem Messi, Dí María, Dibala.

Claro, é apenas um jogo, apesar de ser contra a Argentina (podem ser dois, uma vez que na terça a seleção enfrenta a Austrália). No entanto, se Thiago Silva falhar, seus erros anteriores serão lembrados. Mais do que isso, poderá dar um sinal de que a seleção, para ele, passou. Se isso vier, desta vez ele não poderá dizer que não teve chance.