As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tite estuda várias novidades para a seleção brasileira

Treinador pode dar oportunidade a jogadores de diversas posições no grupo que chamará para as partidas com Uruguai e Paraguai

Almir Leite

28 Fevereiro 2017 | 16h14

Tite tem seis vitórias em seis jogos pelas Eliminatórias, e encontrou mais rapidamente do que imaginava um time forte e consistente. Um time capaz de se impor aos adversários, independentemente do nível, e de não se abalar em momentos de dificuldade.

Mas pretende aumentar o leque de opções e também a qualidade da seleção brasileira. Por isso, é possível que a convocação que fará na sexta-feira, para os jogos contra Uruguai e Paraguai no fim do mês de março, apresente várias caras novas em relação ao grupo que fechou a temporada passada, vencendo Argentina (3 a 0) e Peru (2 a 0) em novembro.

Nas últimas semanas, o treinador e seus auxiliares observaram vários jogadores, in loco e via TV. Algumas posições mereceram uma atenção maior nesse momento, sinal que de há mais chance de novidades.

No gol, Tite e seus pares estudam chamar Diego Alves ou Ederson. Nesse caso, talvez sobre para Alex Muralha.

Na lateral-direita Mariano, em excelente fase no Sevilla, ameaça Fagner.

Na zaga, David Luiz, que vem jogando o fino no Chelsea há bastante tempo e além do mais pode ser útil como volante, coloca em risco Thiago Silva e Rodrigo Caio.

Na lateral-esquerda, Marcelo e Felipe Luis têm agradado, mas pode ser que o treinador queira dar chance, por exemplo, Alex Sandro, da Juventus. Tite também observou Emerson Palmieri, da Roma, e Alex Telles, do Porto.

No ataque, o treinador, pelo menos por ora, gostaria de manter tudo como estava. Mas a contusão de Gabriel Jesus o força a mudar os planos. Roberto Firmino esteve na última convocação para jogos de Eliminatórias e deve ser mantido.

Pode, porém, haver uma grande novidade: a convocação de Lucas Moura, que vem bem no Paris Saint-Germain. Mas Taison, que Tite já andou chamando, não pode ser descartado.

Não se pode deixar de lado, também, a hipótese de o treinador se voltar para o futebol interno. Ele gostou do comportamento de vários jogadores no amistoso de janeiro contra a Colômbia. Diego Souza, apesar de veterano, foi um deles.