As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tite retoma trabalho na seleção e dá início ao processo de renovação

Técnico acompanha em Porto Alegre Grêmio x Flamengo para observar de perto jogadores, jovens e outros não tanto, que pretende convocar para amistosos de setembro

Almir Leite

01 Agosto 2018 | 17h25

A Copa do Mundo já é passado, as férias chegaram ao fim. É hora de retomar o trabalho. E, no caso da seleção brasileira, é tempo de recomeçar o trabalho, retomar a estrada que tem como destino a Copa de 2022, no Catar, mas com algumas escalas, a primeira na Copa América do próximo ano.

De contrato renovado, Tite e sua comissão técnica retomam as atividades com algumas prioridades, a principal delas é o inicio do trabalho de renovação da seleção.  Vários jogadores que estiveram no grupo que foi à Rússia não chegarão ao Catar, basicamente por causa da idade. E muitos jovens que surgiram nos últimos meses começam a pedir passagem.

Tite retoma nesta quarta-feira no jogo entre Grêmio e Flamengo pela Copa do Brasil, suas observações in loco. Vai ver de perto Lucas Paquetá, jogador que fez parte da lista suplementar dos 12 na época d Copa da Rússia é que ao ser que aconteça algum contratempo, estará no grupo que disputará os amistosos de setembro nos Estados Unidos  contra a seleção da casa e possivelmente contra El Salvador.

Também observará os gremistas Marcelo Grohe e Luan, além de Everton Ribeiro, mas rodado como o goleiro gremista, mas ainda com idade para servir por bom tempo à seleção.

Os auxiliares de Tite também estarão nos estádios nos próximos dias. Pretendem observam jogadores como Militão, do São Paulo; Rodrygo, do Santos; Pedro, do Fluminense, entre outros. Dedé, do Cruzeiro, é outro que será acompanhado de perto.

A renovação da seleção brasileira será gradual. Mas já em setembro será possível observar algumas novidades.

Tomara que também ocorra uma mudança de mentalidade. Que Tite e seus pares revejam o protecionismo exagerado aos jogadores, abram mais a seleção, aproximando-a de fato dos torcedores, deixem de lado “homens de confiança” que dentro de campo produzam pouco.

Renovar dentro de campo sem renovar métodos, sem rever procedimentos, será pura perda de tempo. Tomara que a lição proporcionada pelo Mundial da Rússia tenha sido aprendida.