As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Venceu o melhor no Itaquerão

Almir Leite

19 de fevereiro de 2015 | 00h33

O São Paulo teve mais posse de bola que o Corinthians. Mas não soube o que fazer com ela.

Ou melhor: não conseguiu fazer nada com a bola, porque o Corinthians não deixou no Itaquerão.

Marcou bem, sempre com pelo menos dois jogadores em cima do são-paulino que estava com a bola, encurtou espaços e soube aproveitar os que o adversário deixou.

Para ajudar, a alternativa de Muricy, ao escalar Michel Bastos na lateral esquerda e Alan Kardec no meio, mostrou-se desastrosa. Sem contar que a dupla de zaga, Rafael Toloi e Dória, jogou pra lá de mal.

O Corinthians fez valer seu melhor entrosamento, a força de seu estádio e o aparvalhamento do adversário e venceu com toda a justiça por 2 a 0. Largou bem na Libertadores.

É verdade que  o segundo gol nasceu de uma jogada irregular, posto que Emerson, um dos melhores em campo junto com Jadson e Elias, fez falta no fraco Bruno.

Mas o São Paulo querer se apegar a este lance para justificar a derrota é querer tapar  o sol com a peneira.

Mesmo porque a vitória corintiana foi incontestável.