As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Versões, e fatos (que são o que interessa), sobre o Itaquerão

Almir Leite

21 de março de 2014 | 13h14

Da Suíça vem  informação, nesta sexta-feira, dando conta de que Jérôme Valcke foi informado que os responsáveis pela Copa em São Paulo encontraram uma solução para o pagamento das estruturas provisórias do Itaquerão.

Valcke deu a notícia como se fosse novidade.

Não é.

Ele sabe que o Corinthians vai pagar a maior parte das estruturas desde 20 de janeiro – como o Estadão mostrou com exclusividade em sua edição de 23 de fevereiro.

Naquele 20 de janeiro, em reunião realizada na sede da Prefeitura de São Paulo, Andrés Sanchez deu-lhe a palavra de que o Corinthians vai arcar com as despesas – a Prefeitura entra com uma pequena parte, basicamente com material que já tem, como grades, e o governo do Estado colabora com a cessão da Etec para abrigar pessoas e do terreno ao lado do metrô Itaquera para estacionamento.

Aliás, o próprio Andrés admitiu publicamente a responsabilidade do clube no último sábado, dia em que o elenco corintiano treinou pela primeira vez no Itaquerão.

O que está irritando Valcke no momento – a ponto de ele ter decidido vir ao Brasil tratar do tema das estruturas temporárias na próxima semana – é a demora na contratação das empresas que farão o serviço.

Isso ocorre porque o Corinthians está buscando parceiros que paguem a conta – em troca, por exemplo, de exposição no estádio no futuro.

O fato de o Corinthians ter incluído itens que a Fifa considera permanentes – telões, montagem dos espaços Vips – na conta também desagradou a Valcke.

Mas o fato é que a, digamos, “engenharia financeira” para o pagamento das estruturas temporárias da Arena Corinthians já está “equacionada” há semanas.

A briga, agora, é para que o Corinthians consiga entregar tudo até 3 semanas antes do início da Copa, que é quando o Itaquerão passará de fato, e direito por contrato, para o comando da Fifa.

Essa briga, aliás, tem tudo para se longa.

E, particularmente, sou capaz de apostar que várias coisas ainda estarão sendo feitas nos dias próximos ao jogo entre Brasil e Croácia.

Mas aposto, também, que no fim tudo dará certo.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: