Bekele estreia com vitória em Paris, e coloca pressão em Mo Farah
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bekele estreia com vitória em Paris, e coloca pressão em Mo Farah

Amanda Romanelli

06 de abril de 2014 | 13h27

Kenenisa Bekele havia dito, às vésperas da Maratona de Paris, que o mundo do atletismo estava de olho em sua performance – neste domingo, ele correu pela primeira vez os 42,195 km. E o etíope não decepcionou: venceu a prova e cumpriu a expectativa de quebrar o recorde do percurso. Agora, a pressão por uma boa estreia em maratonas está toda com o britânico Mo Farah, que corre em Londres no próximo domingo, dia 13.

Em seu debut, Bekele terminou a prova com a marca de 2h05min04, oito segundos abaixo do antigo recorde do percurso. Além disso, afirmou que teve de brigar com as câimbras que começou a sentir durante a corrida. “Eu nunca tinha participado de uma maratona antes, e foi bastante difícil. Depois do quilômetro 25, corri sozinho. Comecei a sentir câimbras na parte de trás da coxa entre o 25 e o 30, e fiquei um pouco preocupado. Mas deu tudo certo no fim.”

O etíope, recordista mundial dos 5 mil e dos 10 mil metros, optou por fazer uma prova em que não tivesse grandes adversários, ao contrário de Mo Farah, que enfrentará os melhores maratonistas da atualidade em sua estreia. O britânico, que sucedeu Bekele como campeão olímpico e mundial na pista, deve correr para, pelo menos, derrubar o recorde britânico da maratona, que é de 2h07min13 e pertence a Steve Jones desde 1985.

A expectativa, porém, é que Londres veja a queda do recorde mundial de Wilson Kipsang, de 2h03min23, obtido em setembro do ano passado. Para isso, Haile Gebrselassie foi contratado para ser o coelho da prova. Em reportagem publicada neste domingo, no Estadão, eu conto um pouco do trabalho desse atleta que tem a importante missão de controlar o ritmo da corrida.

Kenenisa Bekele ultrapassa a linha de chegada na Champs Elysées

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.