As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corte no pé tira Renaud Lavillenie do Mundial Indoor

Amanda Romanelli

17 de fevereiro de 2014 | 15h39

A confirmação veio de uma coletiva de imprensa realizada agora há pouco em Paris: Renaud Lavillenie está fora do Mundial Indoor de Sopot (Polônia), que começa no dia 7 de março, por causa de um corte no pé esquerdo sofrido no sábado, em Donetsk.

O acidente ocorreu logo depois que Lavillenie bateu o recorde mundial indoor de Sergey Bubka, no Pole Vault Stars, ao saltar 6,16 m – um centímetro antes da marca anterior, que era de 1993. O francês não se deu por satisfeito e continuou na competição, tentando superar o sarrafo a 6,21 m. Infelizmente, não há imagens para ilustrar melhor o que o ocorreu. Mas, na segunda tentativa, Lavillenie não conseguiu alçar voo com o vara e, ao ser lançado para o lado, bateu o pé no poste. Isso lhe valeu um corte e 16 pontos.

Lavillenie desembarcou em Paris no domingo, com o auxílio de muletas. Não quis cravar, diante de um batalhão de jornalistas que lhe esperavam no Aeroporto Charles de Gaulle, a ausência no Mundial – ele é o atual campeão mundial indoor. Disse que esperaria a realização de exames para um posicionamento oficial. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira.

O campeão olímpico em Londres-2012 disse que não sofreu qualquer tipo de lesão muscular ou ligamentar. O problema é mesmo o corte. “Não voltarei (a competir) até que esteja totalmente recuperado. Quero estar 100% no verão (na temporada ao ar livre)“. O retorno do saltador é previsto para o fim de abril, para a disputa do Campeonato Europeu, na Suíça, em agosto, e as etapas da Liga Diamante.

Sobre a insistência em saltar 6,21 m, Lavillenie assim justificou: “Queria tentar ir um pouco mais além, queria me testar para o futuro.”

O que a ausência de Renaud Lavillenie significa para o Mundial?

Que uma medalha a mais está disponível. E aqui não se trata de dizer que o francês seria necessariamente campeão – embora fosse muito improvável que ele não conquistasse o bicampeonato. Nas três últimas edições mundiais (dois ao ar livre e um indoor), o francês venceu justamente no torneio em pista coberta. Em Moscou-2013, Lavillenie ficou com a prata e, em Daegu-2011, ganhou o bronze.

Ainda é preciso saber quais atletas estarão classificados para o Mundial – o prazo para a obtenção de índice (que é de 5,75 m) termina exatamente em uma semana. Fato é que serão 12 atletas no torneio, que pela primeira vez não terá qualificatória. A final será disputada no dia 8 de março, sábado, às 14 horas (de Brasília).

O Brasil já tem dois atletas classificados. Um deles é Thiago Braz, campeão mundial juvenil em 2012, que unificou os recordes sul-americanos. A marca indoor foi batida por ele já duas vezes (5,72 m, em Malmo, e 5,76 m, em Donetsk – a quarta marca do ranking). Augusto Dutra, que disputa sua primeira temporada indoor, é o outro brasileiro classificado para o Mundial. Mas ele sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo durante a competição em Bydgoszcz, na Polônia.

Sem Lavillenie, que fez as cinco melhores marcas do mundo no ano (6,16 m, 6,08 m, 6,04 m, 5,93 m e 5,84 m), o primeiro do ranking dos “mortais” é o britânico Luke Cutts, com 5,83 m.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.