As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Curiosidades do primeiro dia do Mundial de Moscou

Amanda Romanelli

10 de agosto de 2013 | 17h23

Para acompanhar uma competição de atletismo, é preciso ser multitarefa. São várias provas acontecendo ao mesmo tempo, em duas sessões no mesmo dia.

Em um torneio de alto nível, como a Olimpíada e o Mundial, o jornalista tem à sua disposição algumas ferramentas. Na bancada de imprensa do estádio, há uma tevê para cada dois lugares, normalmente, em que é possível sintonizar todas as provas e acompanhar com mais detalhes uma disputa específica.  E também há um monitor touchscreen em que se pode fazer consultas em tempo real da programação e de resultados.

Mais do que o monitor (porque os dados podem ser acessados de qualquer computador, pelo site da IAAF), a tevê é uma benção. No lugar que me foi determinado (sim, ele é nominal), estou quase alinhada à chegada dos 100 metros e de frente para o setor do salto com vara. Em compensação, as caixas de areia dos saltos horizontais, bem como a gaiola de lançamentos, estão no lado oposto. Para não perder nenhum passo, a tecnologia é fundamental.

De qualquer maneira, o volume de informações gerado em um só dia de competições é enorme. Por isso, seleciono algumas curiosidades do primeiro dia de provas em Moscou.

–  Antes de Mo Farah, apenas um europeu havia sido campeão dos 10 mil metros nos 30 anos de existência do Mundial. Foi o italiano Alberto Cova, que venceu a edição inaugural, Helsinque-1983. Desde então, foram nove títulos da Etiópia e três do Quênia. Nas vitórias etíopes, um domínio absurdo de dois tetracampeões: Haile Gebrselassie (1993-99) e Kenenisa Bekele (2003-2009).

– Campeão mundial do decatlo há dois anos, Trey Hardee está fora da briga pelo bicampeonato. O americano zerou no salto em altura e está fora da competição. No fim do primeiro dia do evento combinado, lidera o campeão olímpico e recordista mundial Ashton Eaton. O brasileiro Carlos Chinin é o 10º.

– Eaton, aliás, correu os 400 metros mais rápidos da história dos Mundiais, ao vencer sua série com 46s03. 

– A ucraniana Nataliya Semenova sofreu um acidente bizarro antes da qualificatória do lançamento do disco. Ela sofreu uma pancada na cabeça e quebrou o nariz ao ser atingida pela polonesa Zaneta Glanc, que se aquecia antes do início da prova, fazendo movimentos típicos dos lançadores. Semenova foi ao hospital, mas disputou a qualificação e não conseguiu passar à final.

– O americano Justin Gatlin foi o primeiro homem a correr os 100 metros com marca abaixo dos 10 segundos na Rússia. Ele fez 9s99 na terceira bateria das eliminatórias. Logo depois, Mike Rodgers, também dos EUA, foi o segundo sub-10 no país – na sexta bateria, fez 9s98 e vai para a semifinal como o dono do melhor tempo.

– Campeão da quarta bateria dos 100 m com 10s04, o chinês Peimeng Chang bateu o recorde nacional.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.