Panamenho Irving Saladino volta a treinar no Brasil e compete no sábado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Panamenho Irving Saladino volta a treinar no Brasil e compete no sábado

Amanda Romanelli

21 de janeiro de 2014 | 18h55

Irving Saladino foi campeão olímpico em Pequim-2008

“E aí, careca?”. Essa foi a frase que o técnico Nélio Moura ouviu em Cartagena, na Colômbia, no primeiro dia em que foi ao estádio em que o Campeonato Sul-Americano de Atletismo era disputado, em julho de 2012. O chamado amistoso direcionado ao brasileiro vinha do panamenho Irving Saladino, campeão olímpico do salto em distância em Pequim-2008. Nélio era o seu técnico quando ele subiu ao lugar mais alto do pódio na China.

Em 2009, Irving decidiu voltar para o Panamá. Herói nacional, tinha saudade da família e encerrou um período de quase cinco anos vivendo em São Paulo, treinando diariamente na pista do Ibirapuera sob os cuidados de Nélio e com a companhia de Maurren Maggi, que garantiu o ouro na mesma prova e na mesma Olimpíada.

Mas o período de retorno à terra natal não foi produtivo. O homem que chegou ao recorde sul-americano em 2008, ao saltar 8,73 m (para o atletismo, o Panamá fica na América do Sul – não tentem entender), teve a marca de 8,40 m como a sua melhor em um período de quatro anos (2010 a 2013). Além disso, sofreu com problemas físicos, e precisou operar o joelho esquerdo em janeiro de 2012 e, ainda assim, conseguiu se recuperar a tempo da Olimpíada de Londres. Na defesa de seu título, não conseguiu chegar sequer à final, porque não teve saltos válidos na qualificatória.

Em um cenário de dificuldades, decidiu mudar. Pensou em ir para os EUA, mas ao ouvir que as portas estavam abertas para ele em São Paulo, Irving retornou ao Brasil. Está treinando no Ibirapuera desde outubro e, no sábado, dia 25 de janeiro, fará sua primeira competição no ano, em um torneio da Federação Paulista de Atletismo. Irving tem outra competição agendada, o Russian Winter, em Moscou, no dia 2 de fevereiro. Se o panamenho conseguir saltar acima de 8,16 m (índice para o Mundial de Sopot, na Polônia), decidirá se vai à competição.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.