“Abrem-se as cortinas” com Palmeiras vibrante

Antero Greco

14 de maio de 2016 | 22h07

Como será que o saudoso Fiori Gigliotti chamaria o menino Gabriel Jesus? E o Walter, o gordinho artilheiro que perdeu sete quilos? Não dá para adivinhar.

Com certeza o poeta dos locutores esportivos do Brasil criaria slogan fantástico para cada um deles, que neste sábado estiveram em ação na abertura do Campeonato Brasileiro de 2016.

“Abrem-se as cortinas e começa o espetáculo!”

E começou com um Palmeiras e Atlético Paranaense dos sonhos dos torcedores alviverdes, na arena verde: 4 a 0.

O primeiro tempo foi equilibrado. Nem lá, nem cá. Mas o Palmeiras saiu na frente com um gol de Roger Guedes, aos 19 minutos.

No início do segundo tempo, o time de Cuca liquidou a tarefa: Gabriel Jesus aos 20 segundos e logo depois Thiago Martins. Os lances tiveram em comum os passes de Cleiton Xavier, que finalmente desencantou.

Cuca prometeu que o Palmeiras vai disputar o título este ano. E o quarto gol, marcado por Gabriel Jesus, dá razão ao técnico: pelo jeito a equipe tem chances de brigar mesmo para chegar entre os primeiros.

Se Fiori estivesse vivo, transmitiria para todo o Brasil a promissora estreia, através da “cadeia verde amarela de rádio”, como se dizia na época. E faria sucesso, mesmo nestes tempos de comunicação super-rápida, de jogos transmitidos de todos os lugares do planeta, com 16 câmeras captando detalhes e fazendo dos craques atores que escondem suas falas atrás das mãos.

Ele chamaria Gabriel do “menino iluminado da capital paulista”, Walter, “o gordinho goleador de Recife”. E encheria de elogios Cleiton Xavier, “o craque alagoano de São José da Tapera”.

Fiori era inigualável e este Palmeiras promete. Se cumprir no prato principal o que apresentou como tira-gosto.

(Com participação de Roberto Salim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.