Alívio corintiano

Antero Greco

26 de maio de 2016 | 13h39

Ufa, alívio e tanto para o Corinthians! A falta de vitórias incomodava Tite e rapazes, mas foi para o espaço no final da manhã desta quinta-feira. E com um indesmentível 3 a 0 sobre a Ponte Preta. Com muito público, com casa cheia, para variar. E com uma postura diferente.

Tite mexeu no time, por opção (a saída de André, por exemplo) e por necessidade (ausência de Balbuena e Elias, com seleções), e não teve do que se queixar. O Corinthians foi ágil, atento e eficiente. Sobretudo no primeiro tempo, quando abriu vantagem de 2 a 0 e liquidou com o desafio.

Uma das alterações foi a presença de Cristian ao lado de Bruno Henrique na marcação. Para fechar espaços, para não expor a defesa, como aconteceu nos 3 a 2 para o Vitória no domingo. Deu certo. Guilherme, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel ficaram mais lives para ir à frente e encostar em Luciano.

Dessa maneira, surgiram logo os gols: primeiro com Kadu, contra, aos 14. Depois, com Bruno Henrique. A Ponte foi para as cordas, não teve a força de reagir, muito distante do time confiante que bateu o Palmeiras no sábado. Eduardo Baptista desta vez não achou brecha, não tinha nenhuma carta na manga.

O Corinthians até aliviou no segundo tempo, rolou mais a bola, chegou com menos frequência na área campineira. Mas sem correr riscos, sem ver ameaçada a diferença em seu favor. E, para fechar a conta, um golaço de Guilherme aos 34 minutos, jogando pelo meio, avançado, como rende mais.

Pronto, terminou o papo de quase 40 dias sem ganhar, sequência negativa, angústia e etc. O Corinthians fica mais tranquilo, o que não significa que esteja pronto. Tem muita a fazer na reconstrução do campeão brasileiro. Tite sabe.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.