Árbitro faz lambança e chama a polícia no Sul

Antero Greco

08 de setembro de 2013 | 01h22

Já vi muita confusão em campo de futebol. Vi árbitros desceram o braço em jogadores ou levarem safanões. Teve valentões que meteram pontapé em boleiro folgado ou tomaram rasteira homérica. Enfim, rolo é o que não falta no calor da hora.

Mas juiz ficar com medo, durante o jogo e apelar para a polícia no primeiro avanço dos atletas, é cena mais rara. Por isso, me chamou a atenção a reação de Jailson Macedo de Freitas, na noite deste sábado, quase no final do duelo entre Grêmio e Portuguesa, em Porto Alegre.

O árbitro irritou os jogadores da Lusa, ao marcar o pênalti (pra mim, inexistente) de Rogério em Kléber, e depois de expulsar Valdomiro e Bruninho ficou acenando como desesperado a pedir a entrada do pessoal da Brigada Militar para protegê-lo. Ficou com um medão daqueles de apanhar da rapaziada. Um tremendo vexame.

Na várzea do Bom Retiro, sei como ele seria chamado. Não escrevo aqui por respeito aos leitores. Teria de impor respeito, encarar a bronca e ai de quem encostasse a mão nele. Jogador fica com vontade dar das umas bolachas, porém na maioria dos casos se contém pois sabe que a punição é pesada pra chuchu. Jailson ficou sem moral nenhuma nessa.

E errou no lance, como havia pisado na bola no comecinho do segundo tempo, ao embarcar na sinalização do seu auxiliar, que anulou gol de cabeça de Kléber, após cruzamento de Pará pela direita. Duas lambanças daquelas, que desestabilizam todo mundo, de ambos os lados. No episódio das expulsões, deve carregar contra os jogadores. Estes correm risco de punição severa. E o árbitro? Continuará a apitar por aí?

Não considero que ele tenha marcado o pênalti para “roubar” – não tenho provas para esse tipo de afirmação. Mas, reação humana muito comum, quem garante que ele não tenha ficado com medo de errar novamente contra o Grêmio e por isso optou pelo pênalti? Mesmo assim, errou duas vezes: ao anular gol legítimo e ao dar pênalti que não foi.

Fora isso, a partida teve emoção de sobra no segundo tempo. No primeiro, o Grêmio foi melhor, mas chegou aos 2 a 0 só na etapa final, com Barcos e Zé Roberto. A Lusa foi valente, ao empatar na raça, com Rodholfo contra e Luís Ricardo. Tomou o castigo no fim.

O tricolor se mantém na corrida pelo título; a Lusa ainda vê o rebaixamento como ameaça forte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: